População indígena com deficiência no Brasil: Análise do censo demográfico de 2010

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18227/2675-3294repi.v1i0.6724

Palavras-chave:

Sociedade Indígena, Pessoa com Deficiência, Censo Nacional

Resumo

De acordo com os dados do Censo Demográfico de 2010, a população indígena brasileira aumentou expressivamente nas últimas décadas. Entretanto, pouco se discute sobre as pessoas indígenas com deficiência. A partir deste contexto, o presente trabalho teve como objetivo apresentar, por meio dos dados do Censo Demográfico (2010), a prevalência das deficiências visual, auditiva, física e mental/intelectual na população indígena brasileira. Este estudo trata-se de uma pesquisa descritiva, que assumiu como matriz metodológica a abordagem quantitativa por ser mais apropriada ao objeto de investigação e ao objetivo proposto. Foram utilizados os dados do Censo Demográfico do ano de 2010 disponibilizados pelo IBGE e cruzadas as variáveis cor/raça e deficiência denominada no banco como “características gerais da população, religião e deficiência”. Os tipos de deficiências selecionadas foram: “deficiência visual – não consegue de modo algum”, “deficiência auditiva – não consegue de modo algum”, “deficiência motora – não consegue de modo algum” e “mental/intelectual”. Os resultados mostram que 1,9% da população indígena apresenta algum dos tipos de deficiências investigadas, sendo que a maior incidência está no sexo feminino (1,10%). As deficiências visual e física apareceram mais no sexo feminino e as deficiências auditiva e mental/intelectual teve prevalência no sexo masculino. Conclui-se que existe a necessidade de elaborar censos demográficos específicos para mapear a situação da população indígena com deficiência no que se refere aos tipos de deficiências, acesso aos sistemas de saúde e educação.


INDIGENOUS POPULATION WITH DISABILITES IN BRAZIL: A 2010 DEMOGRAPHIC CENSUS ANALYSIS

According to 2010 Demographic Census data, Brazilian indigenous population has increased expressively in the last decades. However, little is discussed about indigenous people with disabilities. Within this context, this paper aims at presenting, by means of data from the Demographic Census (2010), the prevalence of visual, hearing, physical and mental disabilities in Brazilian indigenous population. This study has a descriptive research that undertook the quantitative approach as its methodological matrix, since it was the most appropriate to the investigation objective and the proposed one. Data from the Demographic Census of the year 2010, which were made available by the IBGE, were used and the variables color/race and disability, named on the bank as “population general characteristics, religion and disability”, were crossed. The types of disabilities chosen were: “visual disability – can’t at all”, “hearing disability- can’t at all”, “motor disability- can’t at all” and ‘mental/intellectual”.  The results showed that 1,9% of the indigenous population present some of the disabilities of the investigated types, with the majority of incidence being in the female sex (1,10%). The physical and visual disabilities showed more in the female sex whereas hearing and intellectual/mental ones were prevalent in the male sex. It was concluded that there is a need to elaborate specific demographic census to map the situation of the indigenous population with disability concerning the types of disability and access to educational and health systems. 

KEYWORDS: Indigenous Society; Disabled Persons; National Census.

 

POBLACIÓN INDÍGENA CON DISCAPACIDADES EN BRASIL: ANÁLISIS DEL CENSO DE POBLACIÓN DE 2010

Según datos del Censo Demográfico de 2010, la población indígena brasileña ha aumentado significativamente en las últimas décadas. Sin embargo, se habla poco sobre los pueblos indígenas con discapacidad. Desde este contexto, el presente estudio tiene como objetivo presentar, a través de datos del Censo Demográfico (2010), la prevalencia de discapacidad visual, auditiva, física y mental/intelectual en la población indígena brasileña. Este estudio es una investigación descriptiva, que toma como matriz metodológica el enfoque cuantitativo, por ser más adecuado al objeto de investigación y al objetivo propuesto. Se han utilizado los datos del Censo Demográfico de 2010 facilitados por el IBGE y se han cruzado las variables de color/raza y discapacidad denominadas en el banco como “características de la población general, religión y discapacidad”. Los tipos de discapacidad seleccionados han sido: "discapacidad visual - no puede hacerlo en absoluto", "discapacidad auditiva - no puede hacerlo en absoluto", "discapacidad motora - no puede hacerlo en absoluto" y "mental/intelectual". Los resultados muestran que el 1,9% de la población indígena presenta alguno de los tipos de discapacidad investigados, siendo la mayor incidencia en el sexo femenino (1,10%). Las discapacidades visuales y físicas son más prevalentes en las mujeres y las discapacidades auditivas e intelectuales/mentales son más prevalentes en los hombres. Concluimos que es necesario elaborar censos demográficos específicos para mapear la situación de la población indígena con discapacidad en cuanto a tipos de discapacidad, acceso a los sistemas de salud y educación.

PALABRAS CLAVE: Sociedad indígena; Persona Discapacitada; Censo Nacional.


Biografia do Autor

Michele Aparecida de Sá, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Doutora em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos, Mestre em Educação e graduada em Pedagogia pela Universidade Federal da Grande Dourados.

Guilherme Donini Armiato, FUNDAÇÃO HOSPITALAR DO ESTADO DE MINAS GERAIS – FHEMIG

Preceptor do Hospital João XXIII da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais – FHEMIG. Graduado em Medicina pela Universidade Federal da Grande Dourados e Especialista em Clínica Médica pela Santa Casa de Belo Horizonte.

Referências

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília DF: Senado, 1999.

BRASIL. Decreto nº 591, de 06 de julho de 1992. Promulga Atos Internacionais. Pacto Internacional sobre Direitos Econômicos, Sociais e Culturais – ONU. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1992/decreto-591-6-julho-1992-449000-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 28 jul. 2020.

BRASIL. Decreto nº 678, de 6 de novembro de 1992. Promulga a Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), de 22 de novembro de 1969. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1992/decreto-678-6-novembro-1992-449028-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 28 jul. 2020.

BRASIL. Decreto nº 5.051, de 19 de abril de 2004. Promulga Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas e Tribais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5051.htm. Acesso em: 28 jul. 2020.

BRASIL. Decreto 6949, de 25 de agosto de 2009. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6949.htm>. Acesso em: 03 jul. 2020.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Brasília: IBGE, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena. Brasília, DF: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Portaria nº 948, de 09 de outubro de 2007. Dispõe sobre Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Plano Nacional de Educação 2014-2024 - Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. Disponível em: <http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento-referencia.pdf>. Acesso em: 01 ago. 2020.

DIAS JUNIOR, Claudio Santiago; VERONA, Ana Paula. Deficiências visual, auditiva e motora entre a população indígena no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 10, 2018. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018001005005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 01 ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00131717.

GIL. Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

ONU. Declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas (2006). Disponível em: <http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/cogedi/pdf/LEGISLACAO_INDIGENISTA/Legislacao-Fundamental/ONU-13-09-2007.pdf>. Acesso em: 28 jul. 2020.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Editora Atlas, 1999.

SÁ, Michele Aparecida de. O escolar indígena com deficiência visual na Região da Grande Dourados, MS: um estudo sobre a efetivação do direito à educação. 135 f. Dourados, 2011. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal da Grande Dourados, 2011.

SÁ, Michele Aparecida de; CAIADO, Katia Regina Moreno. Educação Especial na Educação Escolar Indígena: contribuições da pesquisadora Marilda Moraes Garcia Bruno. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 9, n. 27, p. 399-417, 2018. Disponível em: <https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/3132/2636>. Acesso em: 02 jun. 2020.

Downloads

Publicado

22/12/2020

Edição

Seção

Edição temática - A interface da educação especial com a educação indígena – confluências e divergências