Metodologias ativas para o ensino de astronomia indígena na educação de surdos

Autores

  • Caroliny Capetta Martins CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER
  • Germano Bruno Afonso Centro Universitário Internacional UNINTER

DOI:

https://doi.org/10.18227/2675-3294repi.v1i0.6660

Palavras-chave:

Metodologias Ativas, Educação de Surdos, Astronomia Indígena, Inclusão

Resumo

O presente artigo versa sobre a importância do uso das metodologias ativas na educação de alunos surdos, no que se refere ao ensino de Astronomia Indígena, principalmente na construção da réplica de um Observatório Solar Indígena, que é um equipamento educacional que permite determinar o meio-dia solar, os pontos cardeais e as estações do ano. O objetivo deste estudo é buscar a criatividade, inciativa e a inclusão escolar de alunos surdos, envolvendo-os em atividades em que tenham que tomar decisões e avaliar resultados, com apoio de vídeos em Libras. Justifica-se essa pesquisa pelas atuais mudanças educacionais, pela precariedade de ações inovadoras para a construção do conhecimento ocorrer de forma efetiva. A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica e as metodologias ativas, para um projeto denominado “Astronomia Indígena para Surdos: Observatório Solar Indígena”. O objetivo do estudo de astronomia indígena em Libras, para a inclusão e equidade na educação de alunos surdos foi alcançado. Evidencia-se, nesse estudo, a necessidade de mais pesquisas voltadas ao público surdo, principalmente referente a temática Astronomia Ocidental e Indígena, através de métodos de ensino que proporcionem a esses discentes, uma inclusão de qualidade. Devido ao interesse que o tema desperta nos alunos, pretendemos ampliá-lo utilizando, no lugar de Libras, as línguas de sinais de algumas comunidades indígenas, que tenham alunos surdos.


ACTIVE METHODOLOGIES FOR TEACHING INDIGENOUS ASTRONOMY IN THE DEAF EDUCATION

This article deals with the importance of using active methodologies in the education of deaf students, with regard to the teaching of Indigenous Astronomy, mainly in the construction of the replica of an Indigenous Solar Observatory, which is an educational equipment that allows determining the solar noon, cardinal points and seasons of the year. The objective of this study, is to seek creativity, initiative and school inclusion of deaf students, involving them in activities in which they have to make decisions and evaluate results, with the support of videos in the Brazilian sign language. This research is justified by the current educational changes, by the precariousness of innovative actions to build knowledge effectively. The methodology used was bibliographic research and active methodologies, for a project called “Indigenous Astronomy for Deaf People: Indigenous Solar Observatory”. The objective of the Indigenous astronomy study in Brazilian Sign Language, for inclusion and equity in the education of deaf students was achieved. In this study, the need for more research aimed at the deaf audience, mainly regarding the Western and Indigenous Astronomy theme, is evidenced, through teaching methods that provide these students with a quality inclusion. Due to the interest that the topic arouses in students, we intend to expand it using, instead of the Brazilian Sign Language, the sign languages of some indigenous communities that have deaf students.

KEYWORDS: Active Methodologies; Deaf Education; Indigenous Astronomy; Inclusion.


METODOLOGÍAS ACTIVAS PARA LA ENSEÑANZA DE ASTRONOMÍA INDÍGENA EN LA EDUCACIÓN PARA SORDOS

Este artículo trata sobre la importancia de utilizar metodologías activas en la educación de los estudiantes sordos, en lo que respecta a la enseñanza de la Astronomía Indígena, principalmente en la construcción de la réplica de un Observatorio Solar Indígena, que es un equipamiento educativo que permite determinar la jornada solar, puntos cardinales y estaciones. El objetivo, el estudio, es buscar la creatividad, la iniciativa y la inclusión escolar de los estudiantes sordos, involucrándolos en actividades en las que tienen que tomar decisiones y evaluar resultados, con el apoyo de videos en libras. Esta investigación se justifica por los cambios educativos actuales, por la precariedad de acciones innovadoras para construir conocimiento de manera efectiva. La metodología utilizada fue la investigación bibliográfica y metodologías activas, para un proyecto denominado “Astronomía indígena para sordos: Observatorio Solar Indígena”. El objetivo del estudio de la astronomía india en libras, para la inclusión y equidad en la educación de los estudiantes superará para lograr. En este estudio se evidencia la necesidad de realizar más investigaciones dirigidas a la audiencia sorda, principalmente en la temática de Astronomía Occidental e Indígena, a través de métodos de enseñanza que brinden a estos estudiantes una inclusión de calidad. Investigando el interés que el tema despierta en los estudiantes, pretendemos expandirlo utilizando, en lugar de libras, las lenguas de señas de algunas comunidades indígenas, como los estudiantes sordos.

PALABRAS CLAVE: Metodologías activas; Educación para sordos; Astronomía indígena; Inclusión.


Biografia do Autor

Caroliny Capetta Martins, CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER

Mestranda em educação e novas tecnologias - Centro Universitário Internacional UNINTER. Professora e Tradutora intérprete de língua de Sinais - SEED/PR.

Germano Bruno Afonso, Centro Universitário Internacional UNINTER

Doutor em Astronomia e Mecânica Celeste - Université Pierre ET Marie Curie - Paris VI. Professor no centro universitário internacional UNINTER.

Referências

AFONSO, G. B. Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC – Manaus, AM – julho/2009. Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/61ra/conferencias/CO_GermanoAfonso.pdf. Acesso em: 25 de novembro de 2019.

AFONSO, G. B., CREMONEZE, C., BUENO, L. Ensino de história e cultura indígenas. Curitiba: Intersaberes, 2016.

BRASIL. Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, Distrito Federal, 11 mar. 2008. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm Acesso em: 22 de maio de 2019.

BRASIL. Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 24 de abril, 2002.

BRASIL. Objetivos de desenvolvimento sustentável. Instituto de pesquisa econômica aplicada. 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/ods/ods4.html. Acesso em: 20 de julho de 2020.

BRASIL. Resolução MEC/CNE nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 2001.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras), e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de dezembro, 2005.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federal do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRITO, L. F. Integração Social e Educação de Surdos. Babel Editora, 1993.

GÓMEZ, Guillermo Orozco. Comunicação, educação e novas tecnologias: tríade do século XXI. Comunicação & Educação, São Paulo, v. 23, p. 57-70, jan./abr. 2002. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/37017/39739. Acesso em: 22 de setembro de 2019.

GUARINELLO, Ana Cristina. O papel do outro na produção da escrita de sujeitos surdos. São Paulo: Plexus, 2005.

MARTINS, C. C. O céu em Libras, 2020. Disponível em https://www.youtube.com/channel/UCBeMSWlelLr5kvtouXPHa8w. Acesso em: 22 de junho de 2020.

MORAN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações jovens. v. 3. Ponta Grossa, 2015. Disponível em: http/ uniavan.edu.br. Acesso em 19 de julho de 2020.

ONU – Organização das Nações Unidas. Declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas. Rio de Janeiro, mar. 2008. Disponível em: https://www.un.org/esa/socdev/unpfii/documents/DRIPS_pt.pdf. Acesso em: 15 de julho de 2020.

PEIXOTO, Anderson Gomes. O uso de metodologias ativas como ferramenta de potencialização da aprendizagem de diagramas de caso de uso. Periódico Científico Outras Palavras, v. 12, n. 2, 2016. Disponível em: http/revista.faculdadeprojecao.edu.br. Acesso em: 18 de julho de 2020.

PINHEIRO, Daiane. Espaço: informativo técnico-científico do INES/Instituto Nacional de Educação de Surdos. Rio de Janeiro: INES, 2011.

RIBEIRO, Berta G. O índio na cultura brasileira. Editora: Unibrade Unesco, 1987.

SCHUBERT, Silvana Elisa de Morais. Entre a surdez e a língua: outros sujeitos... novas relações desvelando sentidos e significados / Silvana Elisa de Morais Schubert Prismas, 2015.

Downloads

Publicado

22/12/2020

Edição

Seção

Edição temática - A interface da educação especial com a educação indígena – confluências e divergências