Metodologia na perspectiva freiriana: uma educação emancipatória para uma ação libertária no bojo dos movimentos sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18227/2675-3294repi.v1i0.6721

Palavras-chave:

Teoria freireana, Transformação social, Pedagogia libertadora, Educação popular

Resumo

As reflexões sobre a teoria freireana problematizam os sentidos de uma sociedade que necessitou expandir a socialização e a aprendizagem das crianças e dos adultos em função de uma base de produção industrial e tecnológica, e não em função das demandas de libertação e humanização da sociedade. Nesse contexto, o objetivo deste estudo é refletir sobre o método de Paulo Freire e seu legado no campo da educação, que trouxe a esperança e libertação no chão das escolas e dos movimentos sociais populares. Falar em Paulo Freire é instigar a história e perguntar: qual foi o motivo da educação brasileira não ter desenvolvido uma educação progressista? Esse educador semeou um novo sentido para educação e criou bases conceituais para pensarmos a autonomia, o diálogo, a emancipação como chave para os processos educativos. Os estudos envolveram pesquisas bibliográficas em livros de autoria de Freire (1981, 1982, 1987, 1996, 1997) e Brandão (2006) e em artigos disponíveis na internet, os quais apontam que a teoria de Paulo Freire tem sido marcada por uma pedagogia da resistência e por uma educação libertadora e da emancipação, a favor das experiências de diálogos com diferentes movimentos sociais, bem como nas aulas de alfabetização de adultos, que revelam a importância do processo de escuta das necessidades do povo por meio de suas formas de organização e mobilização social e popular.


PAULO FREIRE’S METHOD: AN EMANCIPATORY EDUCATION FOR A LIBERATORY ACTION IN THE CORE OF THE SOCIAL MOVEMENTS

The reflections about the Freirean theory problematize the meanings of a society that needed to expand the socialization and the children and adults learning regarding an industrial and technological production basis, and not regarding the society liberty and humanization demands. In this context, the objective of this study is to reflect about Paulo Freire’s method and its legacy in the field of education, which brought hope and liberty on the school floor and the popular social movements. Talking about Paulo Freire is to instigate History and ask: what was the reason that the Brazilian education did not develop to a progressive one? That educator sowed a new sense for education and created conceptual basis for us to think of autonomy, dialog, emancipation as key for the educational processes. The studies involved bibliographic researches in books authored by Freire (1981, 1982, 1987, 1996, 1997) and Brandão (2006) and in articles available on the internet, which indicate that Paulo Freire’s theory has been marked by a pedagogy of resistance and by a liberating and emancipating education, in favor of the experiences of dialogs with different social movements, as well as in the literacy classes of adults, that reveal the importance of the process of listening to the people’s needs by means of their forms of organization and social and popular mobilization. 

KEYWORDS: Freirean Theory; Social transformation; Liberatory pedagogy; Popular Education.

 

EL MÉTODO DE PAULO FREIRE: UNA EDUCACIÓN EMANCIPATIVA PARA LA ACCIÓN LIBERTARIA EN EL BOJO DOS MOVIMIENTOS SOCIALES

Reflexiones sobre la teoría de Freire problematizan los significados de una sociedad que necesitaba expandir la socialización y el aprendizaje de niños y adultos a partir de una base de producción industrial y tecnológica, y no por las demandas de liberación y humanización de la sociedad. En este contexto, el objetivo de este estudio es reflexionar sobre el método de Paulo Freire y su legado en el campo de la educación, que trajo esperanza y liberación a las escuelas y movimientos sociales populares. Hablar de Paulo Freire es instigar la Historia y preguntarse: ¿cuál fue la razón por la que la educación brasileña no desarrolló una educación progresista? Este educador sembró un nuevo significado para la educación y creó bases conceptuales para que pensáramos en la autonomía, el diálogo, la emancipación como clave de los procesos educativos. Los estudios han implicado la investigación bibliográfica en libros de Freire (1981, 1982, 1987, 1996, 1997) y Brandão (2006) y en artículos disponibles en Internet, que señalan que la teoría de Paulo Freire ha sido marcada por una pedagogía de resistencia y por una educación de liberación y emancipación, a favor de las experiencias de diálogos con diferentes movimientos sociales, así como en las clases de alfabetización de adultos, que revelan la importancia de escuchar las necesidades de las personas a través de sus formas de organización y movilización social y popular.

PALABRAS-CLAVE Teoría freireana; Transformación social; Pedagogía liberadora; Educación popular.


Biografia do Autor

Jocélia Barbosa Nogueira, Universidade Federal do Amazonas/professora efetiva do Departamento de Administração e Planejamento, lotada na Unidade Faculdade de Educação

Possui graduação em Pedagogia (UFAM) Especialização em Supervisão Escolar (UFAM). Mestrado em Educação (PPGE-UFAM). Doutorado em Educação (PPGE-UFAM). Atualmente é professora efetiva do Departamento de Administração e Planejamento, lotada na Unidade Faculdade de Educação da Universidade Federal do Amazonas. Professora Colaboradora no Prof-Filo Programa de Mestrado Profissional de Filosofia da Universidade Federal do Amazonas e Pesquisadora do Núcleo  de Estudos, Experiências e Pesquisas Educacionais (NEPE). Membro do grupo de Pesquisa Observatório do Direito Socioambiental e Direitos Humanos na Amazônia no Curso de Direito da Universidade Federal do Amazonas.

Edilson da Costa Albarado, Programa de Pós-Graduação em Educação - Programa de Pós-Graduação em Educação- PPGED/UFPA

Doutorando em Educação no PPGED/UFPA (Bolsista CAPES). Mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia pela UFAM (Área de concentração: Processos Socioculturais na Amazônia). Especialista em Educação Ambiental Urbana pela ESAB. Graduado em Pedagogia pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Atuou como Professor Substituto no Curso de Pedagogia no Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia (ICSEZ/UFAM), (2013 a 2014 e 2018 a 2019). Atuou como professor no Curso de Pedagogia no PARFOR (2013, 2014) e no Curso de Educação do Campo - FECAMPO/UFPA (2018). É membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo na Amazônia (GEPERUAZ/UFPA) e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação no Ambiente Amazônico (GEPEAM/UFAM). Tem experiência na área de educação, com pesquisa na área de ciências sociais e aplicadas e sociologia, turismo comunitário sustentável, práticas socioambientais e Bem Viver amazônida. Atuando em temas como: meio ambiente, prática pedagógica, educação infantil, formação continuada de professores. história da educação. educação ambiental, ecodesenvolvimento, desenvolvimento sustentável, sustentabilidade, desenvolvimento local, povos amazônidas, gestão de recursos naturais, educação do campo, educação indígena. movimento ribeirinho e pescadores, políticas públicas, educação popular, educação freiriana. cooperativismo e associativismo, Amazônia e saberes do trabalho, da cultura e da natureza dos povos amazônidas.

Maria Eliane de Oliveira Vasconcelos, Universidade Federal do Amazonas/ Professora efetiva no Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Pará . Mestre em Educação pela Universidade Federal do Amazonas. Professora efetiva no Instituto de Ciências Sociais, Educação e Zootecnia(ICSEZ).  Tem experiência na área de Educação com atuação principalmente nos seguintes temas: Educação do Campo, História da Educação, Prática Pedagógica. É membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação do Campo (GEPERUAZ/UFPA). Pesquisadora FAPEAM.

Referências

ALBARADO, Edilson da Costa; VASCONCELOS, Maria Eliane de Oliveira. Navegando nas práticas organizativas, educacionais e socioambientais do povo ribeirinho Amazônida. Revista de Educação Popular, v. 18, n. 2, p. 59-80, 15 out. 2019. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.14393/REP-v18n22019-46967

BECK, Caio. Método Paulo Freire de alfabetização. Andragogia Brasil. 2016. Disponível em: https://andragogiabrasil.com.br/metodo-paulo-freire-de-alfabetizacao/. Acesso em: 11 de agosto de 2020.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação popular? São Paulo: Brasiliense, 2006.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987a.

FREIRE, Paulo. Educação como prática de Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987b.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. 25. ed: São Paulo- SP, Editora Paz e Terra, 2002.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: Cartas a quem ousa ensinar. São Paulo- SP, Editora Olho D’água, 1997.

FREIRE, Paulo. Carta de Paulo Freire aos professores: Ensinar, aprender. Leitura do mundo, leitura da palavra. Estudos Avançados, São Paulo, v. 15, n. 42, maio/ago., 2001a.

FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Centauro, 2001b.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. São Paulo: Paz e Terra, 1982.

MEKSENAS, Paulo. Sociologia da Educação: Introdução ao Estudo da Escola no processo de transformação Social. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

NOGUEIRA, Jocélia Barbosa. O pensamento de Paulo Freire. Revista Contribuciones a las Ciencias Sociales, junio 2020. Disponível em: https://www.eumed.net/rev/cccss/2020/06/pensamiento-paulo-freire.html. Acesso em: 11 de agosto de 2020.

SILVA, Maria do Socorro. Da raiz à flor: produção pedagógica dos movimentos sociais e a escola do campo. In: MOLINA, Mônica Castagna (org.). Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão. Brasília: MDA, 2006.

Downloads

Publicado

25/11/2020

Edição

Seção

Edição temática - Paulo Freire