A inclusão do surdo no mercado de trabalho: reflexões teóricas sobre fatores que influenciam nesse processo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18227/2675-3294repi.v2i0.6816

Palavras-chave:

Surdo, Inclusão, Educação dos surdos, Mercado de trabalho, Libras.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar, através de reflexão teórica de cunho qualitativo fundamentada em artigos científicos e livros, alguns dos principais fatores que influenciam na inserção do Surdo no mercado de trabalho. Assim, são discutidos aspectos como o termo deficiente e seu impacto histórico nas relações com o Surdo, a relação do Surdo com a família, a inserção do Surdo na educação formal e como esses aspectos influem na inclusão do Surdo no mercado de trabalho. Todos esses processos são permeados e afetados pela capacidade ou não de comunicação do Surdo através da Libras, por isso, abordamos a história e importância dessa língua para a autonomia do Surdo. A família mostra-se relevante para a aprendizagem da Libras e para o desenvolvimento da criança surda, bem como a escola e os profissionais de saúde. Todos esses aspectos contribuem para, mais tarde, ocorrer um processo de inclusão no mercado de trabalho, com o devido suporte organizacional. Assim, a inclusão possui desafios e potencialidades que são discutidos neste artigo, sendo o psicólogo organizacional importante para apoiar e promover a inclusão do Surdo no mercado de trabalho.


THE INCLUSION OF THE DEAF IN THE LABOR MARKET: THEORETICAL REFLECTIONS ON FACTORS THAT INFLUENCE IN THIS PROCESS

This article aims to analyze, through theoretical reflection of a qualitative nature based on scientific articles and books, some of the main factors that influence the insertion of the Deaf in the labor market. Thus, aspects such as the term disabled and its historical impact on relations with the Deaf, the relationship of the Deaf with the family, the insertion of the Deaf in formal education and how these aspects influence the inclusion of the Deaf in the labor market are discussed. All these processes are permeated and affected by the Deaf's ability to communicate through Libras, so we approach the history and importance of that language for the Deaf's autonomy. The family is relevant to the learning of Libras and to the development of the deaf child, as well as the school and health professionals. All these aspects contribute to, later, a process of inclusion in the labor market, with due organizational support. Thus, inclusion has challenges and potentialities that are discussed in this article, and the organizational psychologist is important to support and promote the inclusion of the Deaf in the job market.

KEYWORDS: Deaf; Inclusion; Deaf education; Job market; Libras.


LA INCLUSIÓN DE LAS PERSONAS SORDAS EN EL MERCADO LABORAL: REFLEXIONES TEÓRICAS SOBRE FACTORES QUE INFLUYEN EN ESTE PROCESO

Este artículo tiene como objetivo analizar, a través de una reflexión teórica de carácter cualitativo basada en artículos y libros científicos, algunos de los principales factores que influyen en la inserción de las personas sordas en el mercado laboral. Así, aspectos como el término discapacitado y su impacto histórico en las relaciones con el Sordo, la relación del Sordo con la familia, la inserción del Sordo en la educación formal y cómo estos aspectos influyen en la inclusión del Sordo en el mercado laboral son discutidos. Todos estos procesos están impregnados y afectados por la capacidad de los sordos para comunicarse a través de Libras, por lo que nos acercamos a la historia y la importancia de ese idioma para la autonomía de los sordos. La familia es relevante para el aprendizaje de Libras y para el desarrollo del niño sordo, así como la escuela y los profesionales de la salud. Todos estos aspectos contribuyen a, posteriormente, un proceso de inclusión en el mercado laboral, con el debido apoyo organizacional. Así, la inclusión tiene retos y potencialidades que se analizan en este artículo, y el psicólogo organizacional es importante para apoyar y promover la inclusión de las personas sordas en el mercado laboral.

PALABRAS CLAVE: Sordo; Inclusión; Educación para sordos; Mercado de trabajo; Libras.


Biografia do Autor

Letícia Zalasik, Universidade Regional de Blumenau

Graduada em Psicologia pela Universidade Regional de Blumenau. Mestranda em Saúde Coletiva, Universidade Regional de Blumenau, FURB, campus 3.  Psicóloga clínica.

Cristiane Budde, Universidade Regional de Blumenau e Universidade Federal de Santa Catarina

Graduada, Mestre e Doutora em Psicologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora de Psicologia em cursos de pós-graduação. Pesquisadora voluntária do Laboratório de Psicologia Positiva nas Organizações e no Trabalho (LAPPOT, UFSC).

Referências

BAHIA, M. Responsabilidade Social e Diversidade nas Organizações: Contratando pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: Qualiymark, 2006.

BERNAL, A. O. Psicologia do trabalho: como enfrentar o assédio psicológico e o estresse no trabalho. Porto Alegre, RS: Artmed. 2010

BISOL, C.; SPERB, Tânia. Mara. Discursos sobre a Surdez: Deficiência, Diferença, Singularidade e Construção de Sentido. Psic.: Teor. e Pesq., Brasília, v. 26, n. 1, p. 7-13, jan./mar. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000100002.

BORGES, R. L. et al. Inserção e permanência de surdos no mundo do trabalho: estudo exploratório em empresas de um município do centro-oeste goiano. Educação artes e inclusão, v. 16, n., 2020. DOI: https://doi.org/10.5965/1984317816012020193.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Organizado por Cláudio Brandão de Oliveira. Rio de Janeiro: Roma Victor, 2002.

BRASIL. Lei 9394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: . Acesso em: 01 set 2020.

BRASIL. Lei nº 8.112. Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. Diário Oficial da União, 11 de dezembro de 1990.

BRASIL. Lei n° 8.213. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Diário Oficial da União, 24 de julho de 1991.

BRITO, A. M. W de; DESSEN, M. A. Crianças surdas e suas famílias: um panorama geral. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 429-445, 1999. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-79721999000200012.

CAMARGO, M. L.; GOULART JUNIOR, E.; LEITE, L. P. O Psicólogo e a Inclusão de Pessoas com Deficiência no Trabalho. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 37, n. 3, p. 799-814, set. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-3703003232016.

CAMARGO, M. L. O papel da psicologia organizacional e do trabalho no enfrentamento dos desafios à inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Mimesis – Ciências Humanas, v. 35 n. 2, p. 201-222, 2014. Disponível em <http://www.usc.br/biblioteca/mimesis/mimesis_v35_n2_2014_art_03.pdf> Acesso em 30 ago. 2020.

COLIN, D. Psicología del niño sordo. Barcelona: TorayMasson, 1980.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Código de ética profissional do Psicólogo. Resolução n° 010, Brasília, 21 de julho de 2005. Disponível em <http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2012/07/codigo-de-etica-psicologia.pdf> Acesso em 31 ago. 2020.

CROMACK, E. M. P. C. Identidade, Cultura Surda e Produção de Subjetividades e Educações: Atravessamentos e Implicações Sociais. Psicol. Cienc. Prof., Brasília, v. 24, n. 4, p. 68-77, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98932004000400009.

CRUZZETA, F. A inclusão de pessoas com deficiência auditiva no mercado de trabalho: um estudo de caso. Joinville, pós-graduação UNIVILLE, 2012. Disponível em: < http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2014/01/Fernanda-Cruzeta.pdf>. Acesso em: 14 junho 2018.

FERNADEZ, A. B. Deficiência e trabalho: uma experiência de estágio em psicologia organizacional e do trabalho. Deficiência e trabalho, São Paulo, v.12, n.1, p. 16-26, 2012.

FOSTER, S; LONG, G.; SNELL, K. Inclusive instruction and learning for deaf students in postsecondary education. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, Oxford, v. 4, n. 3, p. 225-235, verão 1999. DOI: 10.1093/surdo/4.3.225.

GOMES, H. S. Educação para família: uma proposta de trabalho preventivo. Bras. Cres. Des. Hum., São Paulo, v. 4, n. 5, p. 34-35, 1994. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/jhgd/article/view/37714> Acesso em 29 ago. 2020.

GUARINELLO, A. C. A influência da família no contexto dos filhos surdos. Jornal Brasileiro de fonoaudiologia, Curitiba, n. 3, p. 28-33, 2000.

KELMAN. C, A. Sociedade, educação e cultura. In: MACIEL, D. A.; BARBATO, S. (Org.). Desenvolvimento humano, educação e inclusão escolar. 1. edição. Brasília: Editora UnB, 2010. p. 11-50.

LESSA, L. P. O aluno deficiente auditivo e o mercado de trabalho. Monografia (Especialização em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde), Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

MELLO, A. G. Deficiência, incapacidade e vulnerabilidade: do capacitismo ou a preeminência capacitista e biomédica do Comitê de Ética em Pesquisa da UFSC. Ciênc. saúde coletiva, v. 21, n. 10, 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152110.07792016.

NADAL, P. Programas e materiais que ajudam na inclusão de surdos. Nova Escola, São Paulo, edição 238, dez. 2010. Disponível em . Acesso em 26 ago. 2020.

NEGRELLI, D. E. M; MARCON, S. S. Família e a criança surda. Ciência, Cuidado e Saúde, Maringá, v. 5, n. 1, p. 98-107, jan./abr. 2006. DOI: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v5i1.5146.

NOVAES, E. C. Surdos: Educação, Direito e Cidadania. Rio de Janeiro: Wak Ed; 2010.

NUNES, S. S. et. al. Surdez e educação: escolas inclusivas e/ou bilíngues? Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 19, n. 3, 2015. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0193892.

OLIVEIRA, R. G. et al. A experiência de famílias no convívio com a criança surda. Acta Scientiarum, Maringá, v. 26, n. 1, p. 183-191, 2004. DOI: https://doi.org/10.4025/actascihealthsci.v26i1.1658.

OLIVEIRA, A. A. S; OMOTE, S.; GIROTO, C. R. M. Inclusão escolar: as contribuições da educação especial. 1ª edição, São Paulo, SP: Cultura Acadêmica, 2008.

RIBEIRO, V.; BARBOSA, R.; MARTINS, S. Pais ouvintes e filhos surdos: o lugar das famílias em propostas educacionais bilíngues. Educação (UFSM), v. 44, e55, p. 1-27, 2019. DOI: https://doi.org/10.5902/1984644435150.

SASSAKI, R. K. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão. Revista Nacional de Reabilitação, São Paulo, ano 5, n. 24, jan./fev. 2002.

SCHEMBERG, S.; GUARINELLO, A. C.; MASSI, G. O ponto de vista de pais e professores a respeito das interações linguísticas de crianças surdas. Bras. Educ. Esp., Marília, v. 18, n. 1, p. 17-32, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382012000100003.

SILVA, S.F. Experiências e necessidades de mães após o diagnóstico de deficiência mental do filho. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 1988.

SILVA, N. O.; MARANHÃO, T. L. G.; NUNES, G. C. Libras um Instrumento Facilitador: A Importância do Psicólogo Organizacional na Inclusão de Pessoas Surdas dentro das Organizações. Multidisciplinar e de psicologia, v..14, n. 51, p. 23-39, julho/2020. DOI: https://doi.org/10.14295/idonline.v14i51.2534.

TSULADZE, M. Teaching and Learning of Deaf Students in Ordinary Vocational Education Setting. Master’s Thesis in the Philosophy in Special Needs Education Department of Special Needs Education. Faculty of Educational Sciences the University Of Oslo The Georgia Case. 2015. Disponível em: <https://www.duo.uio.no/bitstream/handle/10852/49455/Maia-Tsuladze-Masters-Thesis-SNE-4390.pdf?sequence=1>. Acesso em: 01 set 2020.

TV BRASIL. Apenas 37% dos brasileiros com deficiência auditiva estão empregados. Locomotiva Pesquisa e estratégia, 10 jan. 2020. Disponível em <https://www.ilocomotiva.com.br/single-post/2019/10/01/TV-BRASIL-Apenas-37-dos-brasileiros-com-defici%C3%AAncia-auditiva-est%C3%A3o-empregados>. Acesso em: 21 ago. 2020.

Downloads

Publicado

26/03/2021

Edição

Seção

Artigos