DESLOCAMENTOS MACUXI E WAPICHANA EM BOA VISTA – RORAIMA: PERSPECTIVAS A PARTIR DA ANCESTRALIDADE

Autores

  • Luciana Marinho Melo Universidade Federal de Roraima

DOI:

https://doi.org/10.18227/2317-1448ted.v1i32.5696

Palavras-chave:

Indígenas Urbanos, Estado, Etnicidade

Resumo

Neste artigo abordo a presença dos povos indígenas pertencentes às etnias Macuxi e Wapichana no contexto urbano da cidade de Boa Vista, Roraima, a partir da perspectiva da ancestralidade. O argumento que apresento ao longo do texto é de que a circulação de pessoas autodeclaradas indígenas na capital roraimense é justificada por meio de uma compreensão de território que transcende os limites políticos de fronteiras estabelecidos pelo Estado brasileiro. Este entendimento não é compartilhado pelos demais citadinos, tampouco pelos agentes do Estado, que consideram ilegítima a permanência de povos indígenas na cidade, desencadeando manifestações racistas direcionadas a este último. No texto, apresento os posicionamentos dos agentes do Estado, bem como as estratégias adotadas pelas lideranças Macuxi e Wapichana para reconhecimento da presença indígena em contexto urbano.

Downloads

Publicado

18/07/2019

Como Citar

MELO, L. M. DESLOCAMENTOS MACUXI E WAPICHANA EM BOA VISTA – RORAIMA: PERSPECTIVAS A PARTIR DA ANCESTRALIDADE. Textos e Debates, [S. l.], v. 1, n. 32, 2019. DOI: 10.18227/2317-1448ted.v1i32.5696. Disponível em: http://revista.ufrr.br/textosedebates/article/view/5696. Acesso em: 25 fev. 2024.

Edição

Seção

Dossiês