Medicina popular em Curitiba (1899-1912): Curandeirismo ou feitiçaria?

Autores

  • Maria Alejandra Rosales Vera Universidade Federal de Roraima.

DOI:

https://doi.org/10.18227/2317-1448ted.v1i8.2858

Palavras-chave:

curandeiro, curandeirismo, representações sociais

Resumo

O presente estudo analisou o discurso do jornal diário da tarde em relação às diversas representações sociais feitas ao curandeiro e as suas práticas ´populares em Curitiba ao final do século XIX e início do século XX. O objetivo principal desta pesquisa foi identificar e analisar os elementos que permitiram caracterizar tal representação. Considerou-se que ao discriminar curandeiro e as práticas populares, o referido jornal estava representando o pensamento dos profissionais da saúde diplomados e outros setores intelectuais da sociedade curitibana no período estudado. Todos eles mostraram-se preocupados em marginalizar e até abolir a figura do curandeiro e do curandeirismo por constituir uma série ameaça à hegemonia do monopólio cientifico e médico.

Biografia do Autor

Maria Alejandra Rosales Vera, Universidade Federal de Roraima.

Graduação em Antropologia pela Universidad Central de Venezuela (UCV), em Caracas (1995). Mestre em História do Brasil pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba (2001). Doutorado em andamento em Antropologia Universidade Federal de Minas Gerais, UFMG (2014).

Downloads

Publicado

05/08/2015

Como Citar

VERA, M. A. R. Medicina popular em Curitiba (1899-1912): Curandeirismo ou feitiçaria?. Textos e Debates, [S. l.], v. 1, n. 8, 2015. DOI: 10.18227/2317-1448ted.v1i8.2858. Disponível em: https://revista.ufrr.br/textosedebates/article/view/2858. Acesso em: 20 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos e Comunicações