Política de financiamento da educação especial no estado de São Paulo e a relação público-privado: em foco o salário-educação

Marcia Maurilio Souza, Rosângela Gavioli Prieto

Resumo


Trata-se de pesquisa descritivo-analítica sobre a relação público-privado em educação especial, a qual busca averiguar a destinação de recursos do salário-educação à Secretaria de Educação do Estado de São Paulo entre 2010 e 2019 e analisar solicitações de verbas por meio do Programa Dinheiro Direto na Escola-Básico-Modalidade Especial no mesmo período, relativamente a uma amostra intencional de instituições sem fins lucrativos atuantes nessa área. Pretende-se responder as seguintes questões: qual a destinação dos valores do salário-educação correspondentes às matrículas da educação especial na Rede Estadual de Ensino de São Paulo? Qual a amplitude das solicitações em relação aos valores arrecadados do salário-educação pela Seduc-SP? Foram utilizadas fontes documentais, legislação e outras; dados das solicitações de verbas pelas referidas instituições no Portal do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação; e demonstrativos financeiros da Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo. A discussão teve embasamento teórico de autores que discutem história da educação especial (Mazzotta, 2003; Kassar, 2011), financiamento da educação (Pinto, 2000; Vieira; Vidal, 2015) e parcerias público-privadas (Peroni, 2006). Observamos que os recursos do salário-educação repassados ao estado de São Paulo são rubricados para a sua Secretaria de Educação, mas a agregação dos montantes inviabilizou a identificação das ações a que foram destinados. Em relação às verbas solicitadas pelas instituições sem fins lucrativos, os valores são bem menores se comparados aos montantes globais destinados à Secretaria, mas estes poderiam incrementar ações da educação especial na perspectiva inclusiva na educação pública.


FINANCING POLICY FOR SPECIAL EDUCATION IN THE STATE OF SÃO PAULO AND PUBLIC-PRIVATE RELATIONS: FOCUS ON SALARY-EDUCATION

 

This is a descriptive-analytical research on the public-private relationship in special education, which seeks to ascertain the allocation of resources from the education-salary to the São Paulo State Department of Education between 2010 and 2019 and to analyze requests for funds through the Direct Money in School-Basic-Special Modality Program in the same period, in relation to an intentional sample of non-profit institutions working in this area. It is intended to answer the following questions: what is the destination of the education-salary values corresponding to the special education enrollment in the State Education Network of São Paulo? How wide are the requests about the amounts collected from the education-salary by Seduc-SP? Documentary sources, legislation and others were used; data on requests for funds by the aforementioned institutions on the National Fund for Education Development; and financial statements from the São Paulo State Finance and Planning Secretariat. The discussion was theoretically based on authors who discuss the history of special education (Mazzotta, 2003; Kassar, 2011), education financing (Pinto, 2000; Vieira; Vidal, 2015) and public-private partnerships (Peroni, 2006). We observed that the resources of the education-salary transferred to the state of São Paulo are initialed to its Secretariat of Education, but the aggregation of the amounts made it impossible to identify the actions to which they were destined. Concerning the funds requested by the non-profit institutions, the amounts are much lower when compared to the global amounts allocated to the Secretariat, but these could increase the actions of special education in an inclusive perspective in public education.


POLÍTICA DE FINANCIAMIENTO PARA LA EDUCACIÓN ESPECIAL EN EL ESTADO DE SÃO PAULO Y LA RELACIÓN PÚBLICO-PRIVADA: ENFOQUE EN SALARIO-EDUCATIVO

 

Esta es una investigación descriptiva-analítica sobre la relación público-privada en educación especial, que busca determinar la asignación de recursos del salario-educativo al Departamento de Educación del Estado de São Paulo entre 2010 y 2019 y analizar las solicitudes de fondos a través del Programa Dinero Directo en el Escuela-Básico-Modalidad Especial en el mismo período, en relación con una muestra intencional de instituciones sin fines de lucro activas en esta área. Se pretende responder a las siguientes preguntas: ¿cuál es el destino de los valores salariales de educación correspondientes a las inscripciones de educación especial en la Red de Educación del Estado de São Paulo? ¿Qué tan amplias son las solicitudes en relación con los montos recaudados del salario-educativo por Seduc-SP? Se utilizaron fuentes documentales, legislación y otros; datos sobre solicitudes de fondos de las instituciones antes mencionadas sobre el Fondo Nacional para el Desarrollo de la Educación; y estados financieros de la Secretaría de Finanzas y Planificación del Estado de São Paulo. La discusión se basó teóricamente en autores que discuten la historia de la educación especial (Mazzotta, 2003; Kassar, 2011), el financiamiento de la educación (Pinto, 2000; Vieira; Vidal, 2015) y las asociaciones público-privadas (Peroni, 2006). Observamos que los recursos del salario-educativo transferidos al estado de São Paulo se rubrican a su Secretaría de Educación, pero la suma de los montos hizo imposible identificar las acciones a las que estaban destinados. En relación con los fondos solicitados por las instituciones sin fines de lucro, los montos son mucho más bajos en comparación con los montos globales asignados a la Secretaría, pero estos podrían aumentar las acciones de educación especial en una perspectiva inclusiva en la educación pública.



Palavras-chave


Educação Especial; Financiamento da Educação; Salário-Educação; Estado de São Paulo; Programa Dinheiro Direto na Escola-Básico-Modalidade Especial

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, Pablo Aguiar Castro. Descentralização financeira para as escolas da educação básica pública: uma análise do PDDE na escola estadual cidade modelo no período de 2012 a 2015. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

BITENCOURTH, Clarissa dos Santos; GOMES, Fernanda Bezerra; CAMARGO, Rubens Barbosa. Montantes e gastos anuais de escolas públicas com os recursos do PDDE: estudo de caso em uma escola municipal (2007-2016) e uma escola estadual de São Paulo/SP (2006-2016). Finecuda - Revista de financiamento da Educação, v. 10, n. 5, 2020. Disponível em: https://bit.ly/2vsJ0ft. Acesso em: 28 fev. 2020.

BOROWSKY, Fabíola. O público e o privado na educação especial brasileira: primeiros apontamentos. Anais... XXVI Simpósio Anpae. 2013. Disponível em: https://bit.ly/2Ftns6J. Acesso em: 22 out. 2018.

BRASIL. Casa Civil. Lei n.º 4.440, de 27 de outubro de 1964. Institui o Salário-Educação e dá outras providências. 1964. Disponível em: https://bit.ly/2RQ6WUo. Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL. Lei n.º 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, DF, 1971. Disponível em: https://bit.ly/2cntEde. Acesso em: 04 dez. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Decreto-Lei nº. 1.422, de 23 de outubro de 1975. Dispõe sobre o Salário-Educação. Brasília, DF, 1975a. Disponível em: https://bit.ly/2MvnXwQ. Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL. Decreto nº 76.923, de 26 de dezembro de 1975. Regulamenta o Decreto-Lei n.° 1.422, de 23 de outubro de 1975, que dispõe sobre o Salário-Educação, e dá outras providências. Brasília, DF, 1975b. Disponível em: https://bit.ly/2RdPxj8. Acesso em: 15 dez. 2017.

BRASIL. Decreto n.º 87.042, de 18 de março de 1982. Fixa os percentuais de que trata o § 3º do artigo 15 da Lei n.º 5.821, de 10 de novembro de 1972. Brasília, DF, 1982. Disponível em: https://bit.ly/2FV1Uyx. Acesso em: 20 jul. 2018.

BRASIL. Congresso Nacional. Constituição da República do Brasil de 1988. Brasília, DF, 1998a. Disponível em: https://bit.ly/2H0SpiU. Acesso em: 18 nov. 2017.

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: https://bit.ly/2fWX88v. Acesso em: 04 dez. 2017.

BRASIL. Medida Provisória n.º 1.784, de 14 de dezembro de 1998. Dispõe sobre o repasse de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar, institui o Programa Dinheiro Direto na Escola, e dá outras providências. Brasília, DF, 1998b. Disponível em: https://bit.ly/2Tcfi7u. Acesso em: 16 fev. 2020.

BRASIL. Medida Provisória n.º 1.784, de 14 de dezembro de 1998. Dispõe sobre o repasse de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar, institui o Programa Dinheiro Direto na Escola, e dá outras providências. Brasília, DF, 1998b. Disponível em: https://bit.ly/38lCdCN. Acesso em: 12 fev. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n.º 6.003, de 28 de dezembro de 2006. Regulamenta a arrecadação, a fiscalização e a cobrança da contribuição social do salário-educação, a que se referem o art. 212, § 5º, da Constituição, e as Leis n.os 9.424, de 24 de dezembro de 1996b, e 9.766, de 18 de dezembro de 1998, e dá outras providências. Brasília, DF, 2006. Disponível em: https://bit.ly/2sWRqXM. Acesso em: 21 ago. 2018.

BRASIL. Lei n.º 11.494, de 20 de junho de 2007. Regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – FUNDEB. Brasília, DF, 2007a. Disponível em: https://bit.ly/1rXyQZ7. Acesso em: 15 out. 2017.

BRASIL. Casa Civil. Decreto n.º 6.094, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União Federal, em regime de colaboração com Municípios, Distrito Federal e Estados, e a participação das famílias e da comunidade, mediante programas e ações de assistência técnica e financeira, visando a mobilização social pela melhoria da qualidade da educação básica. Brasília, DF, 2007b. Disponível em: https://bit.ly/1yfBdel. Acesso em: 3 mar. 2018.

BRASIL. Resolução CD/FNDE n.º 9, de 24 de abril de 2007. Dispõe sobre o PDDE. Brasília, DF, 2007c. Disponível em: https://bit.ly/31egKJi. Acesso em: 31 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/Seesp, Brasília, DF, 2008. Disponível em: https://bit.ly/20BktZT. Acesso em: 20 jul. 2017.

BRASIL. Resolução CNE/CEB n.º 4, de 2 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na educação básica, modalidade educação especial. 2009a. Disponível em: https://bit.ly/2JbJZUA. Acesso em: 5 jan. 2015.

BRASIL. Lei n.º 11.497, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica; altera as Leis n.os 10.880, de 9 de junho de 2004, 11.273, de 6 de fevereiro de 2006, 11.507, de 20 de julho de 2007; revoga dispositivos da Medida Provisória no 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, e a Lei n.o 8.913, de 12 de julho de 1994; e dá outras providências. Brasília, DF, 2009b. Disponível em: https://bit.ly/2Ql6bQh. Acesso em: 31 jan. 2020.

BRASIL. Portaria n.º 55, de 18 de fevereiro de 2010. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2010. Disponível em: https://bit.ly/2HAT5wl. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n.º 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, DF, 2011a. Disponível em: https://bit.ly/2zpHEkL. Acesso em: 30 mai. 2017.

BRASIL. Portaria n.º 47, de 14 de fevereiro de 2011. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2011b. Disponível em: https://bit.ly/2HAT5wl. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Portaria n.º 67, de 29 de fevereiro de 2012. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2012. Disponível em: https://bit.ly/2HAT5wl. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Resolução CD/FNDE n.º 10, de 18 de abril de 2013. Dispõe sobre os critérios de repasse e execução do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE), em cumprimento ao disposto na Lei nº. 11.947, de 16 de junho de 2009. Brasília, DF, 2013a. Disponível em: https://bit.ly/2uF8fLm. Acesso em: 15 ago. 2018.

BRASIL. Portaria n.º 80, de 15 de março de 2013. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2013b. Disponível em: https://bit.ly/2HAT5wl. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Lei Federal n.º 13.019, 31 de julho de 2014. Brasília: .... DOU. 1 ago. 2014. Brasília, DF, 2014a. Disponível em: https://bit.ly/2rrWC7C. Acesso em 23 out. 2017.

BRASIL. Portaria n.º 498, de 21 de novembro de 2014. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2014b. Disponível em: https://bit.ly/2HAT5wl. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Lei n.º 13.204, de 14 de dezembro de 2015. Altera a Lei n.º 13.019, de 31 de julho de 2014, que estabelece o regime jurídico das parcerias voluntárias, envolvendo ou não transferências de recursos financeiros, entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público; define diretrizes para a política de fomento e de colaboração com organizações da sociedade civil; institui o termo de colaboração e o termo de fomento. Brasília, DF, 2015a. Disponível em: https://bit.ly/2A5VtnG. Acesso em: 13 dez. 2017.

BRASIL. Portaria n.º 39, de 6 de fevereiro de 2015. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2015b. Disponível em: https://bit.ly/2HAT5wl. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Portaria n.º 335 de 22 de julho de 2016. [...] Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2HAT5wl. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Orientações de preenchimento do censo escolar de 2017. Brasília, DF, 2017a. Disponível em: https://bit.ly/2RY7frF. Acesso em: 15 nov. 2017.

BRASIL. Portaria n.º 93, de 16 de fevereiro de 2017. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2017b. Disponível em: https://bit.ly/2HAT5wl. Acesso em: 9 set. 2018.

BRASIL. Portaria n.º 88, de 7 de fevereiro de 2018. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2U4axOv. Acesso em: 27 jan. 2020.

BRASIL. Portaria n.º 65, de 8 de fevereiro de 2019. Divulga a estimativa anual de repasses e os respectivos coeficientes de distribuição das quotas estadual e municipal do salário-educação. Brasília, DF, 2019a. Disponível em: https://bit.ly/2vn5ePE. Acesso em: 27 jan. 2020.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Básica de 2009 a 2019. Brasília: Inep, 2019b. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em: 01 dez. 2019.

BUENO, José Geraldo Silveira. Educação especial brasileira: integração/segregação do aluno diferente. São Paulo: EDUC, 1993.

CAVALCANTI. Cacilda Rodrigues. Configurações da política de assistência da União para a oferta da educação básica pós-golpe de 2016. Fineduca – Revista de Financiamento da Educação, v. 9, n. 19, 2019. Disponível em: https://bit.ly/3clDyMj. Acesso em: 15 dez. 2019.

CONSELHO FEDERAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Perguntas Frequentes: Qual a diferença entre serviço social, assistente social, assistência social e assistencialismo? Disponível em: www.cfess.org.br. Acesso em: 10 fev. 2020.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Parcerias na administração pública. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2017.

JANNUZZI, Gilberta. A luta pela educação do deficiente mental no Brasil. 2. ed. Campinas: Editora Autores Associados, 1992.

KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães. Percursos da constituição de uma política brasileira de educação especial inclusiva. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 17, n. Especial, p. 41-58, maio/ago., 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-65382011000400005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 01 mar. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-65382011000400005

LAPLANE, Adriana L.F.; CAIADO, Katia R. M.; KASSAR. Mônica C. M. As relações público-privado na educação especial: tendências atuais no Brasil. Revista Teias. v. 17, n. 46, jul./set. 2016. Disponível em: https://bit.ly/2Dv7Mxa. Acesso em: 10 nov. 2017. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2016.25497

LÜDKE. Menga; ANDRÉ, Marli Elisa Dalmazo Afonso de. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAFASSIOLI, Andréia da Silva. Programa dinheiro direto na escola: (re)formulações e implicações na gestão escolar e financeira da educação básica (1995-2015). 2017. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

MAZZOTTA, Marcos J. S. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez Editora. 2003.

MELETTI, Silvia Márcia Ferreira. Políticas de educação inclusiva e a instituição especializada na educação da pessoa com deficiência mental. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 199-213, 2008. Disponível em: http://www.cienciasecognicao.org/pdf/v13_3/m318286.pdf. Acesso: 01 mar. 2020.

MELCHIOR, José Carlos de Araújo. O financiamento da educação no Brasil. São Paulo: EPU, 1987.

MICHELS, Maria Helena; LEHMKUHL, Márcia de Souza. Política de inclusão ou manobra de publicização? Journal of Reearch in Special Educacitional Needs, v. 16, n. s1, p. 855-859, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2QBbCeN. Acesso em: 22 out. 2018. DOI: https://doi.org/10.1111/1471-3802.12342

MINAYO, Maria Cecília de S., SANCHES, Odécio. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementariedade? Cad. Saúde Publ., Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, 239-262, jul./set, 1993.

OLIVEIRA, Gildásio Macedo de. Financiamento das instituições especializadas na política de educação especial no estado do Espírito Santo (2012-2015). 144f. 2016. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

PERONI, Vera Maria Vidal. Mudanças na configuração do Estado e sua influência na política educacional. In: PERONI, Vera Maria Vidal; BAZZO; Vera Lúcia; PEGORARO, Ludimar. Dilemas da educação brasileira em tempos de globalização neoliberal: entre o público e o privado. Porto Alegre: Editora da UFGRS. 2006. p. 11-24.

PINTO, José Marcelino de Rezende. Os recursos para a educação no Brasil no contexto das finanças públicas. Brasília: Ed. Plano. 2000.

RIBEIRO, Ana L. M. P. et al. Estudos sobre as contribuições sociais. Publicado em fev. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2UJKCfn. Acesso em: 31 jan. 2020.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução n.º 16, de 18 de março de 2013. Dispõe sobre o transporte escolar de alunos regularmente matriculados em instituições adequadas para autistas residentes no Estado de São Paulo. São Paulo, SP, 2013. Disponível em: https://bit.ly/2vio239. Acesso em: 15 fev. 2020.

SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria de Educação. Resolução SE n.º 61, de 11 de novembro de 2014. Dispõe sobre a Educação Especial nas unidades escolares da rede estadual de ensino. 2014b. Disponível em: http://twixar.me/KpN3. Acesso em: 5 jan. 2018.

SÃO PAULO (ESTADO). Governador do Estado. Decreto n.º 62.294, de 06 de dezembro de 2016. Autoriza a Secretaria da Educação a representar o Estado na celebração de termos de colaboração, com organizações da sociedade civil, sem fins lucrativos, atuantes em educação especial, selecionadas por chamamento público ou previamente credenciadas pela Pasta, com o objetivo de promover o atendimento a educandos com graves deficiências que não puderem ser beneficiados pela inclusão em classes comuns de ensino regular, e dá providências correlatas. São Paulo, SP, 2016a. Disponível em: http://twixar.me/mpN3. Acesso em: 22 out. 2017.

SÃO PAULO (ESTADO). Indicação CEE n.º 157, de 14 de dezembro de 2016. Orientação ao Sistema Estadual de Ensino a respeito da qualificação necessária dos docentes para ministrarem aulas nas disciplinas do currículo da Educação Básica. São Paulo, SP, 2016b. Disponível em: https://bit.ly/2TxdZiO. Acesso em: 15 fev. 2020.

SÃO PAULO (ESTADO). Edital de Credenciamento n.º 1, de 18 de janeiro de 2018. Edital de convocação para o credenciamento de instituições especializadas objetivando a prestação de serviços contínuos, em atendimento a alunos com transtorno do espectro autista – TEA, para eventual celebração de contrato. São Paulo, SP, 2018. Disponível em: https://bit.ly/38a0AlO. Acesso em: 15 fev. 2020.

SÃO PAULO (ESTADO). Resolução SE n.º 18, de 2 de maio de 2019. Dispõe sobre o siglário a ser utilizado, no âmbito da Secretaria de Estado da Educação, pelas unidades que compõem a sua nova estrutura organizacional, e dá providências correlatas. São Paulo, SP, 2019. Disponível em: https://bit.ly/3cpirJ5. Acesso em: 15 fev. 2020.

SÃO PAULO (ESTADO). Decreto n.º 64.187, de 17 de abril de 2019. Reorganiza a Secretaria da Educação e dá providências correlatas. São Paulo, SP, 2019b. Disponível em: https://bit.ly/3bm9WwK. Acesso em: 15 fev. 2020.

SOARES, Rubem da Silva. O financiamento da educação pública nas Constituições Brasileiras. In: RANIERI, Nina Beatriz Stocco, ALVES, Angela Lomingi Alvarenga. Direito à educação e direitos na educação. São Paulo: Cátedra Unesco de Direito à Educação/Universidade de São Paulo (USP), 2018. p. 49-76.

SOUZA, Marcia Maurilio. Parcerias público-privadas para o oferecimento de educação especial. In: PRIETO, Rosângela Gavioli et al. Políticas de educação especial. Curitiba: CRV, 2018. p. 89-102.

VIANA, Mariana Peleje. Recursos financeiros descentralizados para a escola pública: uma política necessária. 2015. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

VIEIRA, Sofia Lerche; VIDAL, Eloísa Maia. Política de financiamento da educação no Brasil: uma (re)construção histórica. Em aberto, Brasília, v. 28, n. 93, jun. 2015. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2519. Acesso em: 01 mar. 2020. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6673.emaberto.28i93.2456




DOI: http://dx.doi.org/10.18227/2675-3294repi.v1i1.6256

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Marcia Maurilio Souza, Rosângela Gavioli Prieto

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Editora da Universidade Federal de Roraima

Av. Cap. Ene Garcez, 2.413 Aeroporto, Campus do Paricarana

CEP: 69.310-000. Boa Vista – RR – Brasil

http://ufrr.br/editora/index.php

e-mail: editora@ufrr.br / editoraufrr@gmail.com


Universidade Federal de Roraima - Programa de Pós-Graduação em Educação

http://ufrr.br/ppgeduc/  

ppgeduc@ufrr.br

 

Revista Educação, Pesquisa e Inclusão (REPI), Boa Vista, Roraima, Brasil

E-ISSN: 2675-3294       Prefixo DOI: 10.18227/2675-3294repi

https://revista.ufrr.br/repi

repi@ufrr.br