Abundância e diversidade de abelhas Euglossina (Hymenoptera: Apidae) da Serra do Tepequém, município de Amajari, Roraima, Brasil.

Sívio José Reis da Silva, Jaime de Liege Gama Neto, Fernanda da Silva Parente

Resumo


Com o objetivo de contribuir para o conhecimento da ecologia de Euglossina na Região Amazônica, foi realizado um levantamento da fauna Euglossina da Serra do Tepequém, Município de Amajari, Roraima, Brasil. As coletas de abelhas Euglossina foram realizadas nos meses de março e maio de 2011, com a utilização de armadilhas confeccionadas com garrafas
PET contendo iscas aromáticas. Verificou-se a abundância e a diversidade de Euglossina em ambiente de borda e interior de mata primária e em um fragmento de mata alterada no topo da Serra. Foram coletados 243 espécimes de abelhas Euglossina distribuídas em 24 espécies pertencentes a três gêneros: Euglossa, Eulaema e Exaerete. O predomínio foi do gênero Euglossa, seguido de Eulaema e Exaerete. A espécie mais abundante foi Euglossa imperialis (19,7%), seguida de Eulaema meriana (18,1%) e Eulaema nigrita (9,46%). A maior riqueza de espécies foi observada na borda e no interior da mata primária. De modo geral não foi verificada diferença na abundância média das espécies entre os pontos de coleta, mas observou-se uma diminuição da diversidade no fragmento de mata alterada, concluindo-se que a fragmentação florestal é prejudicial à diversidade desse grupo de abelhas.

Palavras-chave


Abelhas de orquídeas. Bioindicador. Fragmentação florestal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18227/1982-8470ragro.v7i2.1229

Direitos autorais

Revista Agroambiente On-line ISSN 1982-8470 (online), www.agroambiente.ufrr.br. E-mail: agroambiente@ufrr.br. Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-SemDerivações-SemDerivados 3.0 Brasil.