ORGULHO E PRECONCEITO DENTRO DA COMUNIDADE LGBTQIA+

Wesley Sa Teles Guerra

Resumo


A luta por direitos da comunidade LGBTQIA+, não foi um processo homogêneo, e mesmo com a crescente exposição obtida pelas campanhas que invadem as redes sociais e instituições durante o mês do Orgulho, existem fortes assimetrias entre os diferentes grupos que formam a comunidade. Este é o resultado de uma escala gerada em parte pelos padrões da sociedade heteronormativa e pela apropriação de pautas da luta LGBT, mas também pela padronização de membros internos ao movimento que obtiveram uma inserção parcial devido a sua proximidade as padrões e construções estabelecidos, havendo discriminação interna e até mesmo uma objeção da própria luta.


Palavras-chave


heteronormatividade; homossexualidade, luta LGBT; LGBTQIA+; preconceito.

Texto completo:

PDF

Referências


ADAM, B. The Rise of a Gay and Lesbian Movement. Woodbridge: Twayne Publishers, 1987.

ANJOS, G. “Identidade sexual e identidade de gênero: subversões e permanências”. Sociologias, ano 2, n. 4, 2000.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo 2: A Experiência Vivida. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 1999.

CARTER, D. Stonewall: The Riots that Sparked the Gay Revolution. New York: St. Martin´s, Press, 2004.

GUERRA, W. S.T. “Luta LGBTQIA+ Relações Internacionais”. Congresso REDEss. São Paulo, 2020.

POUSHTER, J.; KENT, N. “The Global Divide on Homosexuality Persists”. Pew Research Center [25/05/2020]. Disponível em: . Acesso em: 03/07/2020.

TURNER, B. S. El cuerpo y la sociedad: exploraciones en teoria social. México: Fondo de Cultura Económica, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.3929850

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Boletim de Conjuntura (BOCA)      ISSN: 2675-1488

Caixa postal 253. Praça do Centro Cívico. Boa Vista, RR, Brasil. CEP 69301-970.