CORONAVÍRUS: COMO ESTA A CLASSE TRABALHADORA NA PANDEMIA?

André Luíz Coutinho Vicente, Thainara da Silva Monteiro dos Santos

Resumo


O presente ensaio emerge de reflexões sobre a atenção dispensada à classe trabalhadora em meio ao contexto de pandemia. O texto tem como pano de fundo a articulação de três categorias: a crise do capitalismo acentuada em países de economia tardia, como é o caso do Brasil; a visível ineficiência da gestão estatal brasileira; e o retorno da burguesia brasileira aos postos altos da administração burocrática do Estado nacional. Esta articulação tem representado perdas para a classe trabalhadora em diferentes áreas, como saúde, segurança, meio ambiente e educação, aprofundada em contexto da pandemia de coronavírus. Metodologicamente buscou-se fazer uma revisão bibliográfica, articulando textos das ciências humanas e sociais que trataram sobre o cenário atual, bem como textos sobre a noção de biopolítica para tratarmos da vulnerabilidade diferencial, noção que vai atravessar nossas argumentações. Busca-se, dessa forma, demonstrar que o vírus, ou as consequências dele, atingem a classe trabalhadora com mais violência.


Palavras-chave


Biopolitica. Classe Trabalhadora. Crise do Capitalismo. Pandemia. Vulnerabilidade Diferencial.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Constituição Federal de 1988. Disponível em: Acesso em: 30/05/2020.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3). Brasília: SDH, 2010.

BUTLER, J. “Capitalism Has its Limits: Judith Butler Discuss the Covid-19 Pandemic, and its Escalating Political and Social Effects in America”. Verso [30/03/2020]. Disponível em: . Acesso em: 01/10/2020.

BUTLER, J. Vida precária: os poderes do luto e da violência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

COLEMARX. “Em defesa da educação pública comprometida com a igualdade social: porque os trabalhadores não devem aceitar aulas remotas”. Portal Eletrônico COLEMARX [2020]. Disponível em: . Acesso em: 01/10/2020.

DAS, V. “Encarando a COVID-19: Meu lugar sem esperança ou desespero”. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social [01/06/2020]. Disponível em: . Acesso em: 19/10/2020.

DAS, V.; POOLE, D. “El estado y sus márgenes: etnografias comparadas”. Relaciones Internacionales, n. 8, Junio, 2008.

FIOCRUZ. “Metade das mulheres passaram a cuidar de alguém durante a pandemia, revela pesquisa”. Portal Eletrônico da FIOCRUZ [05/08/2020]. Disponível em: Acesso em: 30/09/2020.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. Petrópolis: Editora Vozes, 1999.

LEITE, M. P. “Biopolítica da Precariedade em tempos de Pandemia”. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social – Rio de Janeiro – Reflexões na Pandemia, 2020.

LORENZINI, D. “Biopolítica em tempos de coronavírus”. Instituto Humanitas Unisinos [14/04/2020]. Disponível em: Acesso em: 01/10/2020.

MBEMBE, A. “Necropolítica”. Arte & Ensaios, n. 32, 2016.

PEIXOTO, G. “Polícia apura a morte de 12 pessoas no Alemão após dia de tiroteios: Segundo a PM, cinco dos mortos estavam em confronto com os agentes. Moradores relatam intenso confronto e barulho de bombas. Fotos mostram corpos sendo carregados por moradores”. G1 RJ [15/05/2020]. Disponível em: Acesso em: 01/10/2020.

SANTOS, B. S. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Editora Almedina, 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.4107811

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Boletim de Conjuntura (BOCA)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boletim de Conjuntura (BOCA)      ISSN: 2675-1488

Caixa postal 253. Praça do Centro Cívico. Boa Vista, RR, Brasil. CEP 69301-970.