PL 246/2019: O SILENCIAMENTO POLÍTICO-PEDAGÓGICO E A CÓLERA À EDUCAÇÃO LIBERTADORA

Antonio Avelar Macedo Neri, Arnóbio Rodrigues de Sousa Júnior, Wanks Cavalcante da Silva

Resumo


Desde os últimos anos, em especial a partir de 2013, o Brasil tem vivido momentos de incertezas e de diversos retrocessos. Sob a ótica educacional, o artigo de caráter exploratório tem como objetivo analisar o Projeto de Lei n. 246/2019 numa perspectiva política e pedagógica com ênfase nos princípios educacionais e deveres do professor enaltecido pelo projeto como proposta pedagógica. De maneira crítica e reflexiva, partimos da pesquisa bibliográfica e documental como suporte metodológico para o desenvolvimento da pesquisa acadêmica. Inquestionavelmente, o projeto Escola Sem Partido apresenta pautas conservadoras, neoliberais e utiliza-se do espaço escolar como forma de legitimação de suas propostas político-pedagógicas alicerçadas em uma epistemologia educacional liberal tradicional, com um ensino voltado para o interesse mercantil do capital.


Palavras-chave


Educação; Escola Sem Partido; PL 246/2019.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2000.

ALGEBAILE, E. “Escola sem Partido: o que é, como age, para que serve”. In: FRIGOTTO, G. (org.). Escola “sem” partido. Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: . Acesso em: 10/02/2020.

CARA, D. “O Programa “Escola sem partido” quer uma escola sem educação”. In: A Ideologia do Movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

FARIAS, I. M. S. “Inovação, mudança e cultura docente”. In: Os professores e processo de mudança. Brasília: Liber Livro, 2006.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UECE, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2003.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2014.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1976.

GADOTTI, M. Convite à leitura de Paulo Freire - Pensamento e Ação no Magistério. São Paulo: Editora Scipione, 2010.

GOMES, N. L. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: MEC, 2007.

GRAMSCI, A. Os intelectuais orgânicos e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

GUAJAJARA, S. “Educação indígena: esperança de cura para tempos de enfermidade”. In: CÁSSIO, F. (ed.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

HADDAD, S. “Paulo Freire, o educador proibido de educar”. In: CÁSSIO, F. (ed.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

JUNQUEIRA, R. D. “A "ideologia de gênero” existe, mas não é aquilo que você pensa que é”. In: CÁSSIO, F. (ed.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

LIBÂNEO, J. C. Democratização da escola pública. São Paulo: Edições Loyola, 2001.

MANHAS, C. “Nada mais ideológico que “Escola sem Partido”. In: A Ideologia do Movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016.

NICHOLSON, L. et al. “Interpretando o gênero”. Estudos feministas, vol. 8, n 2, 2000.

RIOS, T. A. “As dimensões da competência do educador”. In: Ética e competência. São Paulo: Cortez, 2011.

SAVIANI, D. Escola e democracia. São Paulo: Autores Associados. 2009.

SENHORAS, E. M. “A pandemia do novo coronavírus no contexto da cultura pop zumbi”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 1, n. 3, 2020.

SOUSA JÚNIOR, A. R. et al. “Os desafios da conjuntura educacional à luz do Projeto Escola sem Partido: uma análise da formação de professores de Geografia nos sertões de Crateús”. Revista Homem, Espaço e Tempo, vol. 13, n. 2, 2020.

SOUSA JÚNIOR, A. R; BEZERRA, M. B. “Uma análise pibidiana na obra "pedagogia do oprimido" como possibilidade de empoderamento”. In: Políticas Públicas Gestão Escolar - Reflexões. Belo Horizonte: Editora Poisson, 2020.

TONET, I. Educação contra o capital. Maceió: Coletivo Veredas, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.3895424

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Boletim de Conjuntura (BOCA)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boletim de Conjuntura (BOCA)      ISSN: 2675-1488

Caixa postal 253. Praça do Centro Cívico. Boa Vista, RR, Brasil. CEP 69301-970.