A ZONA PORTUÁRIA NO RIO DE JANEIRO E SUAS (RE)SIGNIFICAÇÕES MUSEOLÓGICAS E PATRIMONIAIS

Gabriel de Almeida Martins

Resumo


O objetivo do presente ensaio é explorar o Museu do Amanhã da cidade do Rio de Janeiro (RJ), o qual foi construído para ser um museu futurista. O texto demonstra que o Rio de Janeiro, em 2010, passou por um processo de revitalização denominado “Porto Maravilha”, onde, nas obras foram encontrados artefatos arqueológicos e um cais, datado da época Brasil-Colônia, conhecido como Cais do Valongo. Na revitalização da cidade, atrativos turísticos surgiram e a preocupação para a preservação se torna eminente, como no caso do Museu do Amanhã e o Cais do Valongo, dando início ao novo ciclo de desenvolvimento de território na cidade do Rio de Janeiro.


Palavras-chave


Cais do Valongo; Desenvolvimento Territorial; Museu do Amanhã; Rio de Janeiro

Texto completo:

PDF

Referências


AMAZONAS, A. R.; LIMA, C. L. C. “Museus e desenvolvimento local: território e comunidade”. Anais do I Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola. Porto: Universidade do Porto, 2010.

ANGELO, E. R. B.; DE SIQUEIRA, E. D. “Patrimônio Cultural Na Contemporaneidade: Discussões e interlocuções sobre os campos desse saber”. Anos 90: Revista do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, vol. 25, n. 48, 2018.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Editora DP&A, 2004.

IRVING, M. A. et al. “Revisitando significados em sustentabilidade no planejamento turístico”. Caderno Virtual de Turismo, vol. 5, n. 4, 2005.

LEITE, R. P.; PEIXOTO, P. “Políticas urbanas de patrimonialização e contrarrevanchismo: o Recife Antigo e a Zona Histórica da Cidade do Porto”. Cadernos Metrópole, n. 21, 2009.

LIMA, T. A. “Patrimônio arqueológico, ideologia e poder”. Revista de Arqueologia, vol. 5, n. 1, 1988.

MACEDO, A. P.; OLIVEIRA, M. A. S. A. Turismo e Sociedade, vol. 2. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ, 2012.

MARTINS, C. E. M. A.; BARACHO, R. M. A.; BARBOSA, C. R. “Os museus na era da informação: análise do uso de recursos tecnológicos”. Anais do Colóquio Ibero-americano Paisagem Cultural, Patrimônio e Projeto. Belo Horizonte: UFMG, 2016.

MENDES, J. A. Estudos do património: museus e educação. Coimbra: Coimbra University Press, 2013.

OLIVEIRA, L. A. Museu do amanhã. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2015.

PÉREZ, X. P. Patrimonialização e transformação das identidades culturais. Oeiras: Celta editora, 2003.

PINHEIRO, M. L.; CARNEIRO, S. S. “Revitalização urbana, patrimônio e memórias no Rio de Janeiro: usos e apropriações do Cais do Valongo”. Estudos Históricos, vol. 29, n. 57, 2016.

PORTO MARAVILHA. Museu do Amanhã. Portal Eletrônico Porto Maravilha [s.d.]. Disponível em: . Acesso em: 21/03/2020.

RIBEIRO, L. C. Q. “Transformações da estrutura socioespacial: segmentação e polarização na Região Metropolitana do Rio de Janeiro”. Cadernos Metrópole, n. 1, 1999.

SCHMITZ, P. I. “O patrimônio arqueológico brasileiro”. Revista de Arqueologia, vol. 5, n. 1, 1988.

TRIBE, J. Economia do lazer e do turismo. São Paulo: Editora Manole, 2003.

UNESCO - Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Representação da UNESCO no Brasil. “Valongo Wharf Archaeological Site”. Portal Eletrônico da UNESCO [2017]. Disponível em: . Acesso em: 15/03/2020.

VASSALLO, S.; CICALO, A. “Por onde os africanos chegaram. O Cais do Valongo e a institucionalização da memória do tráfico negreiro na região portuária do Rio de Janeiro”. Horizontes Antropológicos, n. 43, 2015.

WALKER, J. R. Introdução à hospitalidade. Barueri: Editora Manole, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.3748878

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Boletim de Conjuntura (BOCA)

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Boletim de Conjuntura (BOCA)      ISSN: 2675-1488

Caixa postal 253. Praça do Centro Cívico. Boa Vista, RR, Brasil. CEP 69301-970.