A RESSIGNIFICAÇÃO DA EDUCAÇÃO E O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NO CONTEXTO DE PANDEMIA DA COVID-19

Ronualdo Marques

Resumo


Com a chegada do coronavirus e o avanço da COVID-19 no Brasil vemos uma série de impactos e efeitos sobre todas as atividades desempenhados pela população ocasionando no isolamento social e na educação foi preciso repensar como dar continuidade ao ano letivo e garantir uma educação de qualidade e que atenda a demanda do curso escolar. O objetivo desse trabalho é discutir e apresentar dados em relação a organização dos estudantes para dar continuidade do processo ensino aprendizagem mediante as limitações impostas pelo isolamento social no contexto da pandemia provocada pela COVID-19. Para tal, foi realizada uma pesquisa bibliográfica e documental, com estudo de caso por meio de questionário fechado pela escala Likert distribuído de forma virtual pelo Formulário Google. Identificou-se que os estudantes diante dessa realidade não estão mediando esforços para poder acompanhar as aulas e atividades online, contudo, é preciso destacar que fatores como motivação, interação física, recursos tecnológicos avançados, bem como retorno imediato para sanar dúvidas e questionamentos durante as aulas são implicações que devem ser pensadas para melhoria num processo de ensino e aprendizagem que atenda a uma educação de qualidade.


Palavras-chave


COVID-19; Educação; ensino a distância; isolamento social.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, B.; CORREIA, W.; CAMPOS, F. “Uso da Escala Likert na Análise de Jogos”. Anais do X Simpósio Brasileiro de Games. Porto Alegre: SBC, 2011.

AVELINO, W. F. “A escola contemporânea: um espaço de reflexão e crítica”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 1, n. 3, 2020.

BRASIL. Anuário Brasileiro da Educação Básica. São Paulo: Moderna/Todos pela Educação, 2019a.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse Estatística da Educação Básica 2019. Brasília: INEP, 2019b.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Planalto, 1988. Disponível em: . Acesso em: 09/06/2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro, 1996. Disponível em: . Acesso em: 09/06/2020.

BURGESS, S.; SIEVERTSEN, H. H. “Schools, skills, and learning: The impact of COVID-19 on education”. VOX CEPR Policy Portal [01/04/2020]. Disponível em: . Acesso em: 09/06/2020.

CALDEIRA, J. S. “Relação Professor-Aluno: uma reflexão sobre a importância da afetividade no processo de ensino aprendizagem”. Anais do XI Congresso Nacional de Educação (XI EDUCERE). Curitiba: PUC-PR, 2013.

CARLINI, A. L.; TARCIA, R. M. L. “Contribuições didáticas para o uso das tecnologias de educação a distância no ensino presencial”. In: CARLINI, A. L.; TARCIA, R. M. L. 20% a distância e agora?: orientações práticas para o uso da tecnologia de educação a distância no ensino presencial. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2010.

CAPELO, R.; OLIM, D. “Preditores da qualidade de vida em estudantes do ensino secundário”. Interdisciplinarity in Social and Human Sciences, vol. 5, 2016.

CUNHA, M. B; HENRIQUES, A. G; ARAUJO, P. S. R. “Metodologia para fiscalização de programas de inclusão digital com foco na avaliação independente de seus resultados”. Communication Policy Research Latin America, vol. 10, 2016.

FARIZA, I. “Lições de 1918: as cidades que se anteciparam no distanciamento social cresceram mais após a pandemia”. El país [30/03/2020]. Disponível em: . Acesso em: 09/06/2020.

FERREIRA, R. B. A. S.; SILVA, I. M. M. “Didática no contexto da educação a distância: quais os desafios?” Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, vol. 8, 2009.

FORMOSINHO, J.; MACHADO, J.; MESQUITA, E. Formação, trabalho e aprendizagem. In: Tradição e inovação nas práticas docentes. Lisboa: Edições Sílabo, 2015.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Editora Artmed, 2009.

HUNT, T; CALLARI, A. O poder das redes sociais. São Paulo: Editora Gente, 2010.

JHU – John Hopkins University. Center for Systems Science and Engineering. “COVID-19 Dashboard”. John Hopkins University Website [14/05/2020]. Disponível em: . Acesso em: 05/06/2020.

LIMA, J. D. “O distanciamento social como redutor de contaminações”. Nexo Jornal [17/03/2020]. Disponível em: . Acesso em: 05/06/2020.

KENSKI, V. M. “Avaliação e acompanhamento da aprendizagem em ambientes virtuais a distância”. In: MILL, D. R. S.; PIMENTEL, N. M. (orgs.). Educação a distância: desafios contemporâneos. São Carlos: EdUFSCar, 2010.

KENSKI, V. M. Das salas de aula aos ambientes virtuais de aprendizagem. São Paulo: FE/USP. 2005.

LUIGI, R.; SENHORAS, E. M. “O novo coronavírus e a importância das Organizações Internacionais”. Nexo Jornal [17/03/2020]. Disponível em: . Acesso em 05/06/2020.

MARANHÃO, R. A.; SENHORAS, E. M. “Pacote econômico governamental e o papel do BNDES na guerra contra o novo coronavírus”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 2, n. 4, 2020.

MOORE, M. G. KEARSLE, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson, 2007.

NICHOLSON NR Jr. “Social isolation in older adults: an evolutionary concept analysis”. Journal of Advanced Nursing, vol. 65, n. 6, 2009.

OLIVEIRA, H. V; SOUZA, F. S. “Do conteúdo programático ao sistema de avaliação: reflexões educacionais em tempos de pandemia (COVID-19)”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 2, n. 5, 2020.

PEDROSA, G. F. S. “O uso de tecnologias na prática docente em um pré-vestibular durante a pandemia da COVID-19”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 2, n. 6, 2020.

PERA, G. “Ano letivo poderá ter menos de 200 dias”. Portal do MEC [01/04/2020]. Disponível em: . Acesso em: 04/06/2020.

PINTRICH, P. R; SCHUNK, D. H. “Motivación en contextos educativos”. In: Teoría, investigación y aplicaciones. Madrid: Pearson Educación. 2006.

PRETI, O. Autonomia do aprendiz na educação a distância: significados e dimensões. Cuiabá: Nead/UFMT, 2005.

ROSO, C. C; SANTOS, R. A.; ROSA, S. E; AULER, D. “Currículo temático fundamentado em Freire-CTS: engajamento de professores de física em formação inicial”. Revista Ensaio, vol. 17, n. 2, 2015.

SANTOS JOAQUIM, B.; PESCE, L. “As Tecnologias Digitais da Informação e da Comunicação nos Contextos da Educação de Jovens e Adultos: Uma Revisão de Literatura (2007-2014)”. Olhares, vol. 4, n. 1, 2016.

SCHON, D. Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1997.

SILVA, T. S. C.; MELO, J. C. B.; TEDESCO, P. C. A. R. “Um modelo para promover o engajamento estudantil no aprendizado de programação utilizando gamification”. Revista Brasileira de Informática na Educação, vol. 26, n. 03, 2018.

SENHORAS, E. M. “Coronavírus e Educação: Análise dos Impactos Assimétricos”. Boletim de Conjuntura (BOCA), vol. 2, n. 5, 2020.

SOARES, I. “Como o distanciamento social ajuda a frear a disseminação do coronavírus”. GaúchaZH [17/03/2020]. Disponível em: . Acesso em: 04/06/2020.

YIN, R. K. Estudo de caso. Planejamento e Métodos. 2ª edição. Porto Alegre: Editora Bookman, 2001.

ZONTA, R.; ROBLES, A. C. C; GROSSEMAN, S. “Estratégias de enfrentamento do estresse desenvolvidas por estudantes de medicina da Universidade Federal de Santa Catarina”. Revista Brasileira de Educação Médica, vol. 30, n. 3, 2006.




DOI: http://dx.doi.org/10.5281/zenodo.3895107

Apontamentos

  • Não há apontamentos.






Boletim de Conjuntura (BOCA)      ISSN: 2675-1488

Caixa postal 253. Praça do Centro Cívico. Boa Vista, RR, Brasil. CEP 69301-970.