Planejamento Estratégico em uma Universidade Federal: os principais benefícios e desafios da construção do Plano de Desenvolvimento Institucional a partir da percepção dos gestores

Joseane Batalha Pinto, Ricardo Jorge da Cunha Costa Nogueira, Luis Claudio de Jesus Silva

Resumo


Diante de um cenário dinâmico e competitivo, o Planejamento Estratégico torna-se indispensável a uma organização, pois possibilita o seu autoconhecimento. A Administração Pública, que tem como foco não o lucro, mas o bem estar social e a continuidade de serviços, deve também adotar modelos gerenciais visando à melhoria da gestão de recursos públicos e a entrega de resultados à sociedade. Este artigo tem como objetivos avaliar os principais benefícios e desafios enfrentados na construção e revisão do Plano de Desenvolvimento Institucional na Universidade Federal do Amazonas a partir da percepção dos gestores envolvidos, bem como conceituar o Planejamento Estratégico no setor público, examinar e descrever os PDIs produzidos pela instituição. Para esse trabalho sugere-se uma pesquisa de abordagem qualitativa, de natureza básica, do tipo exploratória e descritiva, realizada por meio de um estudo de caso com utilização de pesquisa bibliográfica e pesquisa documental como métodos. Os resultados da pesquisa indicam que os principais benefícios incluem alinhar a atuação dos gestores, definir objetivos e metas, proporcionar o envolvimento da comunidade acadêmica e colaborar para a tomada de decisão. Os grandes desafios enfrentados dizem respeito à dinâmica de grupos, dentre os quais se destacam os conflitos de ideias, a efetiva participação dos envolvidos e o alinhamento de propostas, que torna essencial uma boa comunicação entre os setores envolvidos e a capacitação da equipe condutora do processo.

Palavras-chave


Planejamento Estratégico; Universidade Federal; Plano de Desenvolvimento Institucional.

Texto completo:

PDF

Referências


Bogado, R., & Benini, E. G. (2014). Ferramentas para a gestão pública: uma análise comparativa entre o Balanced Scorecard e o Planejamento Estratégico Situacional (PES). Revista Organizações e Sociedade - Multidisciplinar, 3.

Braga, R., Monteiro, C. A. (2005). Planejamento Estratégico: Sistêmico para Instituições de Ensino. São Paulo: Hoper.

Casarotto, C. (2019). Aprenda o que é análise SWOT, ou análise FOFA, e saiba como fazer uma análise estratégica do seu negócio. Recuperado em 02 fevereiro, 2020, de https://rockcontent.com/blog/como-fazer-uma-analise-swot.

Castro, A. B. C.; Brito, L. M. P.; Santos, R. S. dos; Varela, J. H. de S. (2015). O planejamento estratégico como ferramenta para a gestão escolar: um estudo de caso em uma instituição de ensino filantrópica da Bahia/BA. Revista Holos, 2, 195-211.

Conselho Nacional de Educação [CNE]. (2002). Resolução nº. 10, de 11 de março de 2002. Dispõe sobre o recredenciamento, transferência de mantença, estatutos e regimentos de instituições de ensino superior, autorização de cursos de graduação, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos superiores, normas e critérios para supervisão do ensino superior do Sistema Federal de Educação Superior. Recuperado em 03 janeiro, 2020, de http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/reso10.pdf.

Conselho Nacional de Educação [CNE]. (2010). Resolução nº. 3, de 14 de outubro de 2010. Regulamenta o Art. 52 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dispõe sobre normas e procedimentos para credenciamento e recredenciamento de universidades do Sistema Federal de Ensino. Recuperado em 03 janeiro, 2020, de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6850-rces003-10&Itemid=30192.

Dal Magro, C. B., & Rausch, R. B. (2012). Plano de Desenvolvimento Institucional de Universidades Federais brasileiras. Revista Administração: Ensino e Pesquisa, 13 (3),427-454.

Decreto nº 3.860, de 9 de julho de 2001. (2001). Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília.

Decreto nº 5.224, de 01 de outubro de 2004. (2004). Dispõe sobre a organização dos Centros Federais de Educação Tecnológica e dá providências. Diário Oficial da União, Brasília.

Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006. (2006). Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino. Diário Oficial da União, Brasília.

Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. (2017). Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília.

Decreto nº 9.235, de 15 de dezembro de 2017. (2017). Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação no sistema federal de ensino. Diário Oficial da União, Brasília.

Dias, P. H. R. de., Souza, J. C., & Dias, J. C. (2018). Um estudo de caso do planejamento estratégico do IFB. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 13 (1), 89-106.

Fischmann, A. A., & Almeida, M. I. (2013). Planejamento estratégico na prática. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, E. R., Jr, Gonçalves, V. S., Gonçalves, B. S., Gonçalves, E. R., & Siqueira, R. C. A. (2020). Uma proposta de planejamento estratégico para implantação de uma empresa do setor de produções e eventos de porte regional. Brazilian Journal of Development, 6 (1), 1938-1953.

Herrero, E., Filho. (2017). Balanced Scorecard e a gestão estratégica. Rio de Janeiro: Alta Books.

Kaplan, R. S., & Norton,D. P. (2000). Organização orientada para a estratégia: como as empresas que adotam o balanced scorecard prosperam no novo ambiente de negócios. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília.

Lei n. 10.861, de 14 de abril de 2004. (2004). Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília.

Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. (2008). Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília.

Leite, M. S. R., & Gasparotto, A. M. S. (2018). ANÁLISE SWOT E SUAS FUNCIONALIDADES: o autoconhecimento da empresa e sua importância. Revista Interface Tecnológica, 15 (2), 184-195.

Mazzurana, J. E. J., & Jung, C. F. (2014). Um modelo aplicado à melhoria dos processos de planejamento estratégico e autoavaliação em Instituições de Ensino Superior Privadas. Colóquio - Revista do Desenvolvimento Regional, 11, 167-190.

Melo, A. C., Sousa, D. de M., Campelo, E. G., Filho, & Ferasso, M. (2012). Gestão Pública da UFPI: uma análise do seu Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI). Revista Gestão Universitária na América Latina, 5 (2), 16-35.

Ministério da Educação [MEC]. (2001). Portaria nº 1.466, de 12 de julho de 2001. Regulamenta procedimentos para autorização de cursos fora de sede. Recuperado em 07 janeiro, 2020, de http://institucional.ufrrj.br/pdi/files/2016/07/p1466.pdf.

Ministério da Educação [MEC]. (2004). Portaria nº 2.051, de 9 de julho de 2004. Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei n. 10.861 de 14 de abril de 2004. Recuperado em 07 janeiro, 2020, de http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/PORTARIA _2051.pdf.

Ministério da Educação [MEC]. (2004). Portaria nº 4.361, de 29 de dezembro de 2004. Recuperado em 07 janeiro, 2020, de http://www2.mec.gov.br/sapiens/portarias/ port4361.pdf.

Ministério da Educação [MEC]. (2007). Portaria Normativa nº 2, de 10 de janeiro de 2007. Dispõe sobre os procedimentos de regulação e avaliação da educação superior na modalidade a distância. Recuperado em 07 janeiro, 2020, de http:// portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/ legislacao/portaria2.pdf.

Ministério da Educação [MEC]. (2007). Portaria Normativa nº 40, de 12 de dezembro de 2007. Institui o e-MEC, sistema eletrônico de fluxo de trabalho e gerenciamento de informações relativas aos processos de regulação, avaliação e supervisão da educação superior no sistema federal de educação, e o Cadastro e-MEC de Instituições e Cursos Superiores e consolida disposições sobre indicadores de qualidade, banco de avaliadores (Basis) e o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) e outras disposições. Recuperado em 07 janeiro, 2020, de http://download.inep.gov.br /educacao_superior/censo_superior/legislacao/2007/portaria_40_12122007.pdf.

Ministério da Educação [MEC]. (2017). Portaria Normativa nº 20, de 21 de dezembro de 2017. Dispõe sobre os procedimentos e o padrão decisório dos processos de credenciamento, recredenciamento, autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos superiores, bem como seus aditamentos, nas modalidades presencial e a distância, das instituições de educação superior do sistema federal de ensino. Recuperado em 07 janeiro, 2020, de http://portal.mec.gov.br/index.php? option=com_docman&view=download&alias=108251-portaria-normativa-n-20&cate gory_slug=fevereiro-2019-pdf&Itemid=30192.

Ministério da Educação [MEC]. (2017). Portaria Normativa nº 23, de 21 de dezembro de 2017. Dispõe sobre os fluxos dos processos de credenciamento e recredenciamento de instituições de educação superior e de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos superiores, bem como seus aditamentos. Recuperado em 10 janeiro, 2020, de http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb /content/id/39380012/do1-2%20018-09-03-portaria-normativa-n-23-de-21-de-dezembro -2017--39379864.

Ministério da Educação [MEC]. (2018). Portaria Normativa nº 840, de 24 de agosto de 2018. Dispõe sobre os procedimentos de competência do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira referentes à avaliação de instituições de educação superior, de cursos de graduação e de desempenho acadêmico de estudantes. Recuperado em 10 janeiro, 2020, de http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/384068 04/do1-2018-08-27-portaria-norm ativa-n-840-de-24-de-agosto-de-2018-38406450.

Moysés, J., Filho, Kestelman, H. N., Becker, L. C., Jr, & Torres, M. C. S. (2016). Planejamento e gestão estratégica em organizações de saúde. 2. Ed. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Nahmias, P. da S. (2014). A importância do planejamento para a gestão pública. Revista Científica da Faculdade Darcy Ribeiro, 5, 26-33.

Nunes, A. C., & Peccinini, A. A. (2012). O planejamento estratégico na gestão dos serviços hospitalares no Brasil. 1º Conferência Internacional de Estratégia em Gestão, Educação e Sistemas de Informação. CIEGESI, Goiânia.

Oliveira, D. de P. R. de. (2014). Planejamento Estratégico: conceitos, metodologia e práticas. São Paulo: Atlas.

Pascuci, L., Meyer, V., Jr., Magioni, B., & Sena, R. (2015). Managerialism na gestão universitária: implicações do planejamento estratégico segundo a percepção de gestores de uma universidade pública. Revista Gestão Universitária na América Latina, 9 (1), 37-59.

Picchiai, D. (2012). O Plano de Desenvolvimento Institucional e o Projeto Pedagógico Institucional de universidades públicas: limites organizacionais. Revista Gestão Universitária na América Latina, 5 (3), 23-45.

Rodrigues, E. (2015). Resumo do Balanced Scorecard (BSC) e seus indicadores. Recuperado em 10 fevereiro, 2020, de https://www.elirodrigues.com/2015/04/20/resumo-do-balanced-scorecard-bsc-e-seus-indicadores.

Rodrigues, C. V., Pereira, A. S., Fuculo, P. R. B., Jr, Oliveira, I. P. de, & Santos, B. F. dos. (2018). Aplicação da matriz SWOT no arranjo produtivo local - complexo industrial da saúde localizado na cidade de Pelotas/RS. Revista Empreender e Inovar, 1 (1), 59-70.

Santos, D. R. S. dos, Santos, L. P. dos, & Pereira, M. do S. B. (2015). Governança na Gestão Pública: a importância do planejamento estratégico e a escolha da ferramenta adequada, um estudo de caso da SEFIN – RO. Revista FARO Ciência, 2 (2), 76-82.

Scorsolini-Comin, F. (2012). Missão, Visão e Valores como Marcas do Discurso nas Organizações de Trabalho. Revista PSICO, v. 43, n. 3, p. 325-333, 2012.

Secretaria de Educação Superior [Sesu]. (2004). Portaria nº 7, de 19 de março de 2004. Recuperado em 10 janeiro, 2020, de https://proplan.ufersa.edu.br/wp-content/uploads/sites/7/2014/09/Portaria-n%C2%B0-7-de-19-de-mar%C3%A7o-de-2004.pdf.

Segenreich, S. C. D. (2005). O PDI como Referente para Avaliação de Instituições de Educação Superior: Lições de uma Experiência. Revista Ensaio: avaliação de políticas públicas em educação, 13 (47), 149-168.

Silva, F. de A., & Gonçalves, C. A. (2011). O processo de formulação e implementação de planejamento estratégico em instituições do setor público. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, 4 (3), 458-476.

Silva, J. E. O., Seemann, D. K., Melo, M. B. de, Amante, C. J., Ramos, A. M., & Silva, G. T. (2014). Conciliando administração de projetos com planejamento estratégico na gestão de universidades federais brasileiras. Revista Gestão Universitária na América Latina, 7 (3), 93-114.

Silva, J. E. O., Melo, P. A. de, Ramos, A. M., Amante, C. J., & Silva, F. M. da. (2013). Contribuições do PDI e do Planejamento Estratégico na gestão de universidades federais. Revista Gestão Universitária na América Latina, 6 (3), 269-287.

Silveira, M. da, & Lunkes, R. J. (2018). Planejamento Estratégico no Setor Público e sua Elaboração em Instituições Federais de Educação. Revista Ensino e Pesquisa em Administração e Engenharia, 4 (1), 28-47.

Souza, S. C. de, & Marinho, S. V. (2014). Planejamento estratégico baseado no Balanced Scorecard: um estudo de caso aplicado a uma pequena empresa de segurança. Revista Gestão e Planejamento, 15 (2), 213-237.

Teixeira, C. A. C., Dantas, G. G. T., & Barreto, C. A. (2015). A importância do planejamento para as pequenas empresas. Revista eletrônica científica da FAESB, 1 (2), 104-123.

Universidade Federal do Amazonas [UFAM]. (2004). Plano de Desenvolvimento Institucional 2001 - 2005. Recuperado em 03 fevereiro, 2020, de https://drive.google.com/file/d/1-4g2DY4wDIrFSQMRqJ5hfEUJCWApEtAs/view.

Universidade Federal do Amazonas [UFAM]. (2007). Plano de Desenvolvimento Institucional 2006 - 2015. Recuperado em 10 janeiro, 2020, de https://drive.google.com/file/d/1j4uqnY-0sV82TZQ46kQAx4yXC-G2_uBp/view.

Universidade Federal do Amazonas [UFAM]. (2016). Plano de Desenvolvimento Institucional 2016 - 2025. Recuperado em 29 janeiro, 2020, de https://drive.google.com/file/d/1j4uqnY-0sV82TZQ46kQAx4yXC-G2_uBp/view.

Vieira, V. B. H. A., & Silva, E. da. (2016). Governança corporativa aplicada ao contexto das universidades federais: a produção científica brasileira. 5º Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, Inovação e Sustentabilidade. SINGEP, São Paulo.




DOI: http://dx.doi.org/10.18227/2237-8057rarr.v9i2.6571

Revista de Administração de Roraima -RARR
Roraima Management Review -RMR
e-ISSN: 2237-8057 | DOI: 10.18227/2237-8057rarr
Centro de Ciências Administrativas e Econômicas
Departamento de Administração
Universidade Federal de Roraima
Boa Vista - Roraima - Brasil

Telefone:+55 (95)3621-3149
Email:rarr.ufrr@gmail.com
Endereço:Av. Cap. Ene Garcez, 2413, bloco II, sala 243
Bairro Aeroporto, Campus Paricarana - UFRR
Cep:69310-000
Revista sob
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.
Bookmark and Share