Risco e Retorno: Uma Análise do Índice de Sharpe sob Índice de Endividamento das Empresas da Carteira do Ibovespa

Ruan Carlos dos Santos, Bruno Bergmann, Claudete Correa dos Santos, Lidinei Éder Orso

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar o índice de Sharpe sob o índice de Endividamento das empresas, assim verificando a hipótese de que uma empresa com maior indicador de Endividamento possui também um risco maior e, portanto um menor índice de Sharpe. Na metodologia, os dados foram obtidos através dos Formulários de Referência (FRE) da BM&FBovespa (B3), das empresas da carteira Teórica do índice do Ibovespa, entre o período de 1996 a 2016. Para verificar a relação entre o índice de endividamento e o índice de Sharpe das empresas listadas no Ibovespa, e assim analisar o risco e retorno dessas empresas, utilizou-se como método estatístico, a Regressão de Efeitos Fixos com Dados em Painel. Os principais resultados apontam que quanto maior o índice de Sharpe menor o endividamento das empresas. Assim a conclusão principal sob o artigo é que uma empresa que possui um maior índice de Endividamento é uma empresa que possui um risco maior e, portanto no cálculo do índice de Sharpe no denominador, com um risco maior, irá resultar num menor índice de Sharpe, onde a teoria desse índice demonstra o quanto de retorno existe sob um risco assumido, e assim um Endividamento maior resultará num menor ganho de retorno sob o tamanho do risco em comparação com empresas menos alavancadas.

Palavras-chave


Risco e retorno, índice de Sharpe, índice de Endividamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Assaf Neto, A. (2002). Estrutura e Análise de Balanços: um enfoque econômico-financeiro, comércio e serviços, industriais, bancos comerciais e múltiplos. 7ª ed. São Paulo: Atlas.

Assaf Neto, A. (2009). Finanças Corporativas e Valor. 4ª ed. São Paulo: Atlas.

Assumpção Júnior. C. B. (2009). Um estudo do impacto da governança corporativa na rentabilidade e performance do índice Brasil (IBrX). / Carlos Bolívar de Assumpção Júnior [et al]; Fundação Instituto Capixaba de Pesquisa em Contabilidade, Economia e Finanças, 2009.

BCB. BANCO CENTRAL DO BRASIL. Histórico de Selic. Disponível em: http://www.bcb.gov.br/Pec/Copom/Port/taxaSelic.asp. Acesso em 13 out. 2018.

Caixe, D. F., & Krauter, E. (2014). The relation between corporate governance and market value: mitigating endogeneity problems. Brazilian Business Review, v. 11, n. 1, p. 90-110.

Catapan, A., Colauto, R. D., & Barros, C. M. E. (2013). A relação entre a governança Corporativa e o desempenho econômico-financeiro de empresas de capital aberto do Brasil. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 16, n. 2, p. 16-30, Mai/Ago.

Ceretta, P. S., & Costa Jr., N. C. A. (2001). Avaliação e seleção de fundos de investimento: um enfoque sobre múltiplos atributos. RAC. v. 5, n. 1, p. 07-22, Jan/Abr.

Damodaran, A. (2004). Finanças corporativas: teoria e prática / Aswath Damodaran; Tradução de Jorge Ritter. 2.ed. Porto Alegre: Bookman.

Elton, E. J. (2004). Moderna teoria de carteiras e análise de investimentos. Tradução Antonio Zoratto Sanvicente. – São Paulo: Atlas,.

Gitman, J. L. (2001). Princípios de Administração Financeira. 2ª ed. Porto Alegre: Bookman.

Gitman, J. L. (2010). Princípios de administração financeira. 12.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Marion, J. C. M. (2007). Análise das Demonstrações Contábeis: Contabilidade Empresarial. 3. ed. São Paulo: Atlas.

Matarazzo, D. C. (1998). Análise Financeira de balanços. 5.ed. São Paulo: Atlas.

Mazali, R., Basílio, P. L. A., & Simonsen, R. Índice de Sharpe. Conjuntura Econômica, vol. 54, 1ª ed. Jan/2000, pg. 30-32.

Nakamura, W. T. (1998). Estudo empírico sobre a eficiência da carteira teórica do índice Bovespa. Revista de Administração Mackenzie - RAM. Ano 1, 1.ed. p. 67-81.

Nogueira, C. M. S., & Gomes, A. C. C. (2012). Desempenho do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) sob a perspectiva do Retorno Ajustado ao Risco: sustentabilidade gera retorno? Revista Espaço Acadêmico, n. 131, 2012.

Penha, L., & Stêfano, A. (2008). Classe de Ativos. In: Góes, W. (Coord.). Fundos de Pensão- Gestão de Investimentos. São Paulo: ABRAPP/ICSS/SINDAPP.

Politelo, L., & Cunha, P, R, (2014). Estrutura de propriedade como dimensão da governança corporativa e sua relação com o desempenho das empresas familiares. In: XIV CONGRESSO NOVAS PERSPECTIVAS NA PESQUISA CONTÁBIL USP. Anais... São Paulo, Julho, pp. 1-16.

ROSS, S. A. (2007). Administração financeira. Tradução Antonio Zoratto Sanvicente. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Ross, S. A., Westerfield, R. W., Jaffe, J., & Lamb, R. (2015). Administração financeira: versão brasileira de corporate finance. Tradução Evelyn Tesche et al. 10. ed. Porto Alegre: AMGH.

Sá, G. T. (1999). Adm. de Investimentos, Teorias de Carteiras e Gerenciamento de Riscos. Rio de Janeiro: Qualitymark.

SECURATO, J. R. (1996). Decisões financeiras em condições de risco. São Paulo: Atlas, 1996.

Sharpe, W. F. (1995). Investments. 5. ed. New Jersey: Prentice Hall.

Sharpe, W. F. (1966). Mutual fund performance. Journal of Business. p. 119-138, Jan.

Silveira, A. D. M. (2002). Governança Corporativa, Desempenho e Valor da Empresa no Brasil. Dissertação apresentada ao Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo como requisito parcial para obtenção de título de mestre. USP, São Paulo.

Teles, C. C. (2003). Análise dos Demonstrativos Contábeis: Indice de Endividamento 2003. Disponível em http: // www. Peritocontador.com.br/artigos/colaboradores/artigos/acesso em 03 de outubro de 2018.

Teixeira, E. A., Nossa, V., & Funchal, B. (2011). O índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e os impactos no endividamento e na percepção de risco. Revista Contabilidade & Finanças, v. 22, n. 55, p. 29-44.

Varga, G. (2001). Índice de Sharpe e outros indicadores de performance aplicados a fundos de ações brasileiros. RAC, v. 5, n. 3, Set./Dez. 215-245.

Vieira, I. (2012) Assessing the endogeneity of OCA conditions in MEU. The Manchester School, vol. 80, pp. 75-92.

Wendland, G. (2016). Análise de risco de uma carteira de ações do setor de agronegócio no IBOVESPA-2010/2015 - (Índice de Sharpe). Monografia apresentada ao departamento de pós graduação da UNIJUÍ – Universidade Regional Do Noroeste Do Estado do Rio Grande Do Sul, Rio Grande do Sul.

Werneck, M. A. (2010). Estratégia de investimentos baseada em informações contábeis: modelo residual income valuation – Ohlson versus R-Score – Piotroski. ASAA – Advances in Scientific and Applied Accounting, v.3, 2.ed. p. 141-164.

Weston, F. J., & Brigham, E. F. (2000). Fundamentos da Administração Financeira. 10. Ed. São Paulo: Makron Books.




DOI: http://dx.doi.org/10.18227/2237-8057rarr.v10i0.5883

Revista de Administração de Roraima -RARR
Roraima Management Review -RMR
e-ISSN: 2237-8057 | DOI: 10.18227/2237-8057rarr
Centro de Ciências Administrativas e Econômicas
Departamento de Administração
Universidade Federal de Roraima
Boa Vista - Roraima - Brasil

Telefone:+55 (95)3621-3149
Email:rarr.ufrr@gmail.com
Endereço:Av. Cap. Ene Garcez, 2413, bloco II, sala 243
Bairro Aeroporto, Campus Paricarana - UFRR
Cep:69310-000
Revista sob
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.
Bookmark and Share