Judicialização e Políticas Públicas: O Impacto do fornecimento de Medicamentos por determinação judicial no orçamento da Política de Saúde do Estado de Alagoas (2010-2017)

Rogério Lira Silva, José Janaildo dos Santos, Luciana Peixoto Santa Rita, Ibsen Mateus Bittencourt Santana Pinto

Resumo


Em Alagoas, o custo da judicialização da saúde atingiu R$ 106 milhões entre os anos de 2009 e 2014. Essa pesquisa tem por objetivo analisar o impacto no orçamento do Estado de Alagoas com as aquisições de medicamentos por força de ações judicializadas no período compreendido entre os anos de 2010 a 2017, apresentando uma análise exploratória de dados. Para tanto, serão analisados a evolução dos gastos na função saúde e nos subelementos de despesas relacionados aos gastos com medicamentos. Essa pesquisa se diferencia em relação a outras por apresentar uma abordagem quantitativa do impacto das aquisições de medicamentos, objeto de ações judiciais no Estado de Alagoas, entre os anos de 2010 a 2017, no orçamento estadual destinado à saúde. A pesquisa é do tipo exploratória quanto aos objetivos, estudo de caso quanto aos procedimentos e descritiva. A metodologia utilizada foi a pesquisa documental com abordagem mista quali-quantitativa, conforme Creswell (2010), sustentada na teoria de Políticas Públicas Setoriais: saúde, com recorte na judicialização da saúde. Para a análise dos dados, foi utilizada a análise de conteúdo e estatística descritiva. Nos resultados, constatou-se que, no período analisado (2010-2017), os gastos contabilizados na função saúde alcançaram R$ 7,69 bilhões, em valores nominais. Sendo que os gastos totais com medicamentos alcançaram R$ 426,9 milhões. Dessa maneira, verificou-se que, apesar da relativa estabilização do volume de gastos alocados para aquisição de medicamentos por imposição judicial em Alagoas, apenas quatro fármacos oncológicos foram responsáveis por 52% dos gastos.

Palavras-chave


Judicialização, Políticas Públicas de Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ASENSI, F. D., PINHEIRO, R. (2015). Judicialização da Saúde no Brasil: dados e experiência. Brasília: Conselho Nacional de Justiça. Disponível em http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/destaques/arquivo/2015/06/6781486daef02bc6ec8c1e491a565006.pdf. Acesso em 5 de janeiro de 2018.

BARDIN, L. (2006). Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: Edições 70. (Obra original publicada em 1977).

BARROSO, L. R. (2008). Da falta de efetividade à judicialização excessiva: Direito à saúde, fornecimento gratuito de medicamentos e parâmetros para a atuação judicial. UNIJUS. Uberaba, MG. v. 11, nº 15, p. 13-38, nov. 2008. Disponível em http://revistas.uniube.br/index.php/unijus/article/view/1039/1216. Acesso em 5 de janeiro de 2018.

BRASIL. (2003). Para entender a gestão do SUS. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Brasília: CONASS. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/para_entender_gestao.pdf. Acesso em 3 de janeiro de 2018.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em 13 de janeiro de 2018.

BRASIL. Manual técnico de orçamento. (2010). Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Orçamento Federal. Versão 2010. Disponível em http://www.orcamentofederal.gov.br/informacoes-orcamentarias/manual-tecnico. Acessado em: 14 jan 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. (2016). Relatório de Gestão da SAS. Secretaria de atenção à saúde. SAS. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/Relatorio-de-Gestao-da-SAS-2016.pdf. Acesso em 10 de janeiro de 2018.

CRESWELL, J. W. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

DIAS, E. R., JUNIOR, G. B. A. S. (2016). Medicina Baseada em Evidências na jurisprudência relativa ao direito à saúde. Einstein. 2016;14(1):1-5. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/eins/v14n1/pt_1679-4508-eins-14-1-0001.pdf. Acesso em 14 de janeiro de 2018.

DRESCH, R. (2016). Resenha: direito à saúde - análise à luz da judicialização. Revista de Direito Sanitário, 17(2), 193-199. doi:http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9044.v17i2p193-199

Lei Complementar Nº. 141, de 13 de janeiro de 2012. (2012). Regulamenta o § 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios em ações e serviços públicos de saúde. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 jan. 2012. Seção 1, p. 1-4. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp141.htm. Acesso em 6 de janeiro de 2018.

Lei n. 8080/90, de 19 de setembro de 1990. (1990). Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: DF. 1990. Disponível em https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8080.htm. Acesso em: 05 janeiro de 2018.

MACÊDO, D. F. et al. (2015). Análise da Judicialização do Direito à Saúde, Subfinanciamento do setor e Políticas Públicas: Estudo de Caso no Estado de Alagoas. Revista de Administração de Roraima-UFRR. Boa Vista, Vol. 5 n. 2, p.300-325, jul -dez. Disponível em: http://revista.ufrr.br/index.php/adminrr/. Acesso em 9 de janeiro de 2018.

MACHADO, S. H. S. (2016). A implementação do componente especializado da Política Nacional de Assistência Farmacêutica e a judicialização da saúde no Brasil. 2016. xiii, 493 f., il. Tese (Doutorado em Administração). Universidade de Brasília, Brasília. Disponível em http://repositorio.unb.br/handle/10482/22694. Acesso em 9 de janeiro de 2018.

MALHOTRA, N. K. (2011). Pesquisa de Marketing: foco na decisão. 3ª. ed. São Paulo: Prentice Hall.

MARTINI, S. R., STURZA, J. M. (2017). A dignidade humana enquanto princípio de proteção e garantia dos direitos fundamentais sociais: o direito à saúde. Cadernos Ibero-Americanos Direito Sanitário. Brasília, 6(2):25-41, abr./jun, 2017. Disponível em http://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/367. Acesso em 9 de janeiro de 2018.

MATTAR, F. N. (2001). Pesquisa de marketing. 3.ed. São Paulo: Atlas.

NOGUEIRA, K. P., CAMARGO, E. B. (2017). Judicialização da saúde: gastos Federais para o Sistema Único de Saúde (SUS) entre 2011-2014. Cadernos Ibero-Americanos Direito Sanitário. Brasília, 6(2):120-132, abr./jun, 2017. Disponível em http://www.cadernos.prodisa.fiocruz.br/index.php/cadernos/article/view/387/460. Acesso em 9 de janeiro de 2018.

OLIVEIRA, Maria dos Remédios Mendes. (2013). A judicialização da saúde no Brasil. Revista Actas da Saúde Coletiva. V. 7. N.1. 2013. Disponível em http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/1276/1113. Acesso em 6 de janeiro de 2018.

Portaria Nº. 53, de 16 de janeiro de 2013. (2013). Estabelece diretrizes para o funcionamento do Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde (SIOPS) e fixa prazos para registro e homologação de informações, em observância ao art. 39 da Lei Complementar nº 141, de 13 de janeiro de 2012, e ao Capítulo I do Decreto nº 7.827, de 16 de outubro de 2012. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt0053_16_01_2013.html. Acesso em 14 de janeiro de 2018.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M. (2004). Metodologia da pesquisa aplicável às Ciências Sociais. In: BEUREN, I. M. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2004, p. 76-97.

SOUZA, RR. (2002). O Sistema Público de Saúde Brasileiro. Seminário Internacional Tendências e Desafios dos Sistemas de Saúde nas Américas; 11 a 14 ago. 2002; São Paulo, SP. Brasília: Ministério da Saúde. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sistema_saude.pdf. Acesso em 13 de janeiro de 2018.

TEXTO. (2014). Ministério da Saúde. Brasília. Disponível em http://www.brasil.gov.br/saude/2014/01/saude-tera-orcamento-de-r-106-bilhoes-em-2014. Acesso em 10 de janeiro de 2018.

Voto do Acórdão 1787/2017. (2017). Tribunal de Contas da União. TCU – Plenário. Ata n° 31/2017 da Sessão de 16/08/2017. Auditoria operacional no Ministério da Saúde e nas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, com o objetivo de identificar o perfil, o volume e o impacto das ações judiciais na área da saúde. Brasília, 2017. Disponível em: https://contas.tcu.gov.br. Acesso em 4 de janeiro de 2018.

YIN, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. trad. Daniel Grassi - 2.ed. -Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.18227/2237-8057rarr.v8i2.4978

Revista de Administração de Roraima -RARR
Roraima Management Review -RMR
e-ISSN: 2237-8057 | DOI: 10.18227/2237-8057rarr
Centro de Ciências Administrativas e Econômicas
Departamento de Administração
Universidade Federal de Roraima
Boa Vista - Roraima - Brasil

Telefone:+55 (95)3621-3149
Email:rarr.ufrr@gmail.com
Endereço:Av. Cap. Ene Garcez, 2413, bloco II, sala 243
Bairro Aeroporto, Campus Paricarana - UFRR
Cep:69310-000
Revista sob
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.
Bookmark and Share